O ex-senador Luiz Estevão,preso em março de 2016, acusado de desvio de recursos públicos destinado à construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo e por falsificação de documentos, foi severamente punido por não cumprir as normas do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

Estevão foi levado para a solitária e provocou a queda da cúpula do presídio. De acordo com informações, em sua cela, o ex-senador parecia estar em casa. Ele tinha várias regalias que eram conquistadas através de subornos ao dirigentes do presídio. Foi encontrado em sua cela chocolates, massas importadas e uma cafeteira elétrica. Esses itens são proibidos e inaceitáveis no Complexo.

Todos os presos tem o direito igual, mas o ex-senador era favorecido perto dos demais.

Diante dessas descobertas de mordomia, a direção da Papuda foi exonerada e Estevão foi para a solitária.

Descoberta

A Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social deu uma nota dizendo que foi descoberto essas regalias após uma vistoria no Bloco 5 do Centro de Detenção Provisória. Segundo a Secretaria, o ex-senador teve atitude indisciplinar e desacatou um diretor do presídio. "Ele cometeu falta disciplinar ao ser interpelado pelo coordenador-geral e permanecerá isolado por 10 dias", afirma a nota.

Será investigado o possível envolvimento de agentes públicos nas mordomias do detento.

Luxo

No ano passado, Estevão também foi denunciado por regalias na Papuda. O Ministério Público Federal do DF acusou o ex-senador de financiar a reforma do local onde está preso, para ele se sentir melhor.

Os melhores vídeos do dia

Em sua ala foi constatado diversos itens considerados de luxo para um presídio. Essa ala que o ex-senador fica é destinado a ex-policiais, presos federais e outros detentos que se colocados no meio dos outros presos, poderiam sofrer repressões. Segundo a denúncia feita pelo Ministério, os sanitários foram mudados, foram colocados outros chuveiros e cerâmica no chão.

Além de Estevão, foram denunciados Cláudio de Moura Magalhães, subsecretário do Sistema Penitenciário (Sesipe), João Helder Ramos Feitosa e Murilo José Juliano da Cunha, diretor do CDP (Centro de Detenção Provisória).