Danielle Dytz cunha, filha do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, fez uma solicitação ao juiz federal Sérgio Moro. Ela alegou ao juiz que seu carro teve "Perda Total", após um acidente em 03 de setembro, do ano passado e mesmo ela recebendo o valor integral da seguradora Porto Seguros, a transferência do veículo não pôde ser feita e a empresa enviou uma carta pedindo providências para Danielle.

Sérgio Moro pediu o bloqueio da transferência de proprietário do carro bem na época em que foi decidido a prisão preventiva de Cunha. O juiz agiu desta forma porque entendeu que o bloqueio dos bens familiares do ex-deputado impediria a dissipação do dinheiro roubado.

O ex-deputado é acusado de envolvimento em grandes esquemas de corrupção ligados à Petrobrás. Segundo o juiz, tanto Eduardo Cunha quanto a sua família receberam propinas milionárias de esquemas irregulares da estatal petrolífera.

A filha de Cunha recebeu o valor integral da seguradora, mas de acordo com os documentos, ela continua a ser dona do carro. Diante disso a seguradora informou que poderá começar a cobrar dela diárias e impostos que incidem sobre o veículo.

Carta da seguradora

A Porto Seguros enviou uma carta a Danielle comentando sobre uma restrição judicial que impossibilita a empresa de prosseguir com os papéis no Departamento de Trânsito (Detran) para a Transferência de Propriedade. A seguradora deixou bem claro que, caso não seja feito o desbloqueio, Danielle terá que arcar com os tributos, como IPVA, DPVAT e multas.

Os melhores vídeos do dia

Defesa

Os advogados da fila de Cunha já entraram com um pedido ao juiz. Fernanda Tórtima e Felipe Maranhão pedem para Moro liberar a transferência do carro acidentado para a seguradora. O pedido foi feito no dia 22 de fevereiro e até agora Moro não respondeu.

O pedido encaminhado à Justiça mostra que o carro já se encontra em poder da seguradora e a transferência já foi requerida ao Detran-RJ. Os advogados ainda afirmam que Danielle não responde a nenhum processo perante este juízo.