Na manhã desta quarta-feira (29), o prefeito de São Paulo, João Doria, discutiu com um manifestante após ter sido chamado de "golpista". No evento era feita a entrega de unidades habitacionais em Grajaú, Zona Sul de São Paulo. Além de Doria, estavam participando da cerimônia o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e o ministro das Cidades do governo Michel Temer, Bruno Araújo.

João Doria falava sobre a importância das mulheres e foi interrompido pelo manifestante que gritou: "Golpistas" e começou a citar os nomes da ex-presidente Dilma Rousseff e do ex-prefeito Fernando Haddad.

Doria se irritou com o militante e pediu para ele ir embora e ressaltou: "Golpista é quem rouba dinheiro público, é quem rouba o povo. Vá procurar sua turma em Curitiba".

Após essas palavras, o prefeito foi aplaudido por todas as famílias que demonstraram apoio ao trabalho que ele vem realizando pela capital paulista.

Veja o vídeo:

Cutucada em Lula

Ao terminar a cerimônia, o tucano tirou vários selfies com as pessoas presentes e aproveitou para "cutucar" o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Achei um absurdo alguém vir aqui falar em golpe, sendo que quem deu um golpe no Brasil foi o Lula", afirmou o prefeito.

O manifestante, identificado como Rafael, se manteve no local sob os olhares da Guarda Civil Metropolitana (GCM). Ele comentou que apenas veio defender seus pensamentos e exercer seu direito de expressão. O evento chegou a ficar paralisado por alguns minutos até que a poeira baixasse.

Investimento

Nesse evento foram entregues 1.888 apartamentos do loteamento América do Sul.

Os melhores vídeos do dia

De acordo com dados oficiais, 4.752 famílias serão beneficiadas nessa região. Ao toda a construção teve um investimento de 118,3 milhões de reais e a obra demorou quatro anos para ser concluída.

Os apartamentos são resultados da parceria do programa federal "Minha Casa Minha Vida", do governo do Estado, por meio da "Casa Paulista" e prefeitura de São Paulo.

O manifestante ficou irritado com os aplausos que Doria teve dizendo que lá só tinha gente apoiadora do prefeito.