De um lado o governo do presidente Michel Temer (PMDB-SP) prega e pratica medidas econômicas impopulares, que segundo o mesmo e sua equipe, serão as únicas alternativas de salvar o país e as suas próximas gerações da crise. Porém, o que mais se questiona em tudo isso é que somente o povo e o trabalhador comuns estão sendo convocados para tirar o país da situação política e econômica miserável em que se encontra.

Por outro lado a burguesia e os partidos aliados do Planalto Central, que estão distribuídos nos quatros cantos do Brasil não praticam no dia a dia o comportamento de altruísmo no que diz respeito a melhora como um todo da nação. Exemplo vergonhoso disso vem da cidade de Taubaté, localizada no Vale do Paraíba no Estado de São Paulo, onde a madrasta de Ortiz Monteiro, que é o prefeito local pelo PSDB, cujo nome é Odila Sanches, teve como remuneração salarial no mês de fevereiro a bagatela de um Salário bruto no valor de R$ 78 mil, somatório do salário como secretária de Finanças, mais algumas outras gratificações, como a licença-prêmio.

Desse modo, o Sindicato de Servidores acabou protocolando um ofício no dia 29 de março, objetivando entender mais detalhes da prefeitura sobre o referido “supersalário” de Odila. Em outras palavras, estão todos querendo saber em que foi baseada a concessão de se liberar a licença-prêmio para a secretária, uma vez que a própria prefeitura não paga esse mesmo benefício aos servidores em geral, alegando que não tem dinheiro para isso.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer

De acordo com Augusto Guará Filho, que é vereador em Taubaté e presidente do sindicato, existem inúmeros questionamentos dos funcionários na região, principalmente quanto a questão de se “furar a fila”, ou seja, um servidor recebe o benefício bem antes de um outro que já aguarda por mais tempo, caracterizando o velho jogo das influências existente desde a época do Brasil colônia.

Ainda referente ao supersalário de Odila, o montante bruto específico destinado a ela foi de R$ 78.367,40 em fevereiro, sendo quatro vezes maior do que os ganhos do próprio prefeito que totalizam R$ 16.574,82.

O curioso disso tudo é que o salário-base real da mulher na função de secretária é de R$ 10.617,23 e justamente por causa de tamanha discrepância, o sindicato se sentiu na obrigação moral de indagar a administração local, de quando foi solicitada a licença e a data para gozo da mesma.

Apesar do requerimento formal, o governo não deu maiores informações sobre o salário de Odila, que ocupa o cargo desde o mês de janeiro de 2013, data em que Ortiz se tornou prefeito pela 1ª vez em Taubaté.

A prefeitura somente informou que o salário pago a secretária está contemplado na "legislação vigente" e é referente “a vencimentos, vantagens pessoais acrescidos de licença prêmio". E quanto a você que está lendo e, muito provavelmente, se espantando com o supersalário de Odila Sanches, qual é a sua opinião sobre o assunto?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo