Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro do Grupo Odebrecht, literalmente desabafou à Justiça Eleitoral em seu depoimento colhido nesta quarta-feira (1). Segundo informação veiculada pelo jornal O Estado de São Paulo, o empresário afirmou que se sentia o “bobo da corte” em meio a tantos repasses de recursos a campanhas eleitorais e a candidatos.

Ele é um dos principais executivos presos na Operação Lava Jato, que apura o esquema de propina no governo federal.

Segundo ele, muitos projetos eram repassados sem que houvesse uma contrapartida que julgava necessário.

Em seu depoimento, Odebrecht detalhou o estreito contato que possuía com o alto escalão do governo dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff. “Eu não era o dono do governo, eu era o otário do governo. Eu era o bobo da corte do governo”, afirmou

Marcelo Odebrecht, que também se mostrou muito irritado ao lembrar das divergências que possuía com seu pai, o patriarca da maior empreiteira do país, Emílio Odebrecht, em suas negociações de apoio ao governo, principalmente as negociações que mantinha com o ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, Guido Mantega.

Conversas com Aécio Neves

Em seu depoimento ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Odebrecht também relatou que o senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato a presidente da República em 2014, teria lhe pedido R$ 15 milhões para financiamento de sua campanha naquele ano.

Segundo ele, o pedido de Aécio Neves foi considerado muito alto pelos executivos da Odebrecht. Como solução, o senador teria sugerido a “alternativa” que os pagamentos fossem feitos em parcelas aos seus aliados políticos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Porém, o pagamento não foi concretizado, pois Marcelo Odebrecht acabou sendo preso na Operação Lava Jato. Mesmo com a sua prisão, a negociação foi definida e que o repasse dos R$ 15 milhões ficou a cargo de Sérgio Neves, superintendente da Odebrecht em Minas, e de Oswaldo Borges, empresário acusado de ser tesoureiro informal do PSDB.

O relato dos repasses coincidem com a planilha de pagamentos de propinas recolhida pela Polícia Federal no chamado departamento de propinas da Odebrecht.

Nesta planilha é descrita o pagamento de R$ 15 milhões ao “mineirinho”, que, segundo investigação, era o apelido de Aécio Neves nesse departamento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo