O PSDB sempre teve em suas reuniões os políticos tradicionais que ditavam o caminho a ser seguido. Mas, a "onda Doria" está mudando esse aspecto dentro do partido. Políticos tradicionais estão perdendo a força ao se preocuparem mais com a Operação Lava Jato do que com o próprio enfrentamento político. Aliados dos senadores Aécio Neves e José Serra e do governador de São Paulo Geraldo Alckmin já admitem que é difícil segurar a popularidade do prefeito e que ele pode ser o nome certo para as próximas eleições.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal PSDB

O PSDB não quer perder a chance de vencer o ex-presidente Lula em 2018 e João Doria seria o candidato mais "perigoso" contra Lula. O prefeito, em seus discursos, critica muito o mal da corrupção que os petistas causaram ao país, afundando o Brasil em dívidas.

É Doria que se contrapõe ao PT e mostra determinação em todas as suas ações. O tucano possui aprovação de mais de 70% dos brasileiros. "Se ele continuar assim, ele poderá ser um candidato fortíssimo para 2018", disse um deputado ligado ao senador Aécio.

Segundo fontes sigilosas, Aécio, Alckmin e Serra já não sabem o que fazer para "segurar" João Doria. Ele vem em rápida ascensão e está conquistando o povo brasileiro. Um dos diferenciais do prefeito é que ele não está envolvido em nenhum processo da Operação Lava Jato.

FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) sentiu o "drama" de acalmar os ânimos de Doria. Várias pessoas se revoltaram com as afirmações dele. FHC disse que credibilidade não é igual à popularidade. Doria respondeu com classe afirmando que FHC já tinha errado em outros prognósticos em relação a ele.

Os melhores vídeos do dia

Tem gente que chegou a chamar FHC de "frouxo" pela Internet.

Apoio

O prefeito de São Paulo, mesmo afirmando que por enquanto não irá concorrer às eleições, já tem bastante apoio. O Movimento Brasil Livre (MBL) está apoiando o possível candidato e vários empresários seguem a mesma ideia. Doria, em seus discursos, mantém a lealdade ao governador Alckmin, mas tudo pode ir mudando, já que o nome do governador já foi citado em delações.