O juiz federal paranaense, Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, fez uma solicitação ao síndico do Condomínio Solaris, em Guarujá, litoral de São Paulo. O juiz quer imagens e outros registros de entrada e saída no condomínio, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua falecida esposa Marisa Letícia.

Moro pediu a relação de todos os moradores do prédio e o nome das pessoas e empresas que prestam serviço no local. os dados devem ser fornecidos desde do ano de 2009.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Sergio Moro

Mauro de Freitas, sindico do condomínio, deverá informar ao juiz, também, eventuais cobranças do condomínio contra a Construtora OAS. O prazo dado pelo magistrado foi de cinco dias.

Investigações

De acordo com as investigações da força-tarefa de Curitiba, imóveis do Condomínio Solaris, incluindo um triplex relacionado a Lula, foram usados para "esconder" pagamentos de propinas no esquema criminoso do Petrolão. Uma fonte revelou que, em 2015, o petista teria pedido para que a Construtora OAS tomasse conta das obras do prédio, que antes eram realizadas pela Bancoop, empresa ligada ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Em delação premiada, o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, afirmou que a cobertura que Lula comprou, em Guarujá, foi um presente dado a ele pela empreiteira. O problema é que esse dinheiro pago para ele foi oriundo do esquema de corrupção que devastou a Petrobrás.

O ex-tesoureito do PT, João Vaccari Neto foi o intermediador da compra. Ele que avisou Léo sobre o interesse de Lula no triplex.

Os melhores vídeos do dia

Em sua delação, Léo afirmou com determinação: "Esse apartamento dado a Lula seria uma forma de abater os créditos que o PT tinha a receber por conta de propinas em obras da OAS na estatal petrolífera".

Moro junta as provas

Em outro ofício, despachado pelo magistrado, Moro pede que a empresa responsável pela reforma do triplex, a Tallento Construtora, que foi contratada pela OAS, forneça os registros de contato deles com Lula e Marisa Letícia.

No dia 20 de abril, Moro ouvirá Léo Pinheiro e depois dia 03 de maio será a vez de cobrar explicações do ex-presidente Lula.