O Brasil foi atingido por um tsunami chamado JBS. A delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários da empresa, caiu como uma bomba. As informações dadas por eles em depoimento na operação Lava Jato fez o Brasil parar na noite desta quarta-feira (17), quando o jornal O Globo trouxe em primeira mão em seu portal de notícias trechos da delação dos irmãos responsáveis pela JBS.

Foram apresentadas gravações de áudio e vídeo [VIDEO] mostrando o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves envolvidos em propinas e sobre o pagamento que deveria ser feito ao ex-deputado federal Eduardo Cunha para que ele se mantivesse em silêncio.

A situação de Temer ficou insustentável, de acordo com especialistas políticos, embora ele negue veementemente tudo que está relato a Polícia Federal. Até seus colaboradores e apoiadores acreditam que a renúncia seria a saída mais honrosa para ele.

Aécio Neves, que até então vinha se esquivando e conseguido sobreviver a Lava Jato, já não tem mais nem o apoio de seu partido o PSDB, do qual ele é presidente. Na manhã desta quinta-feira (18), a Polícia Federal está fazendo uma devassa nos imóveis de Aécio no Rio de Janeiro, Brasília e Minas Gerais. A irmã do senador, Andréa Neves, foi presa em casa na cidade de Nova Lima, localizada na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), mandou afastar Aécio Neves do mandato de senador.

Os melhores vídeos do dia

Existe um pedido de prisão contra o senador que deve ser votado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Mais uma vez o nome de Eduardo Cunha surge em uma delação e mais uma vez o estrago no alto escalão da política brasileira vai ser grande. Mas o que Eduardo Cunha tem a esconder? Porque o silêncio dele é tão importante? Até quando ele vai se manter calado?

De acordo com o portal de notícias online da revista Isto É, nesta semana o ex-deputado federal (PMDB/RJ) e ex-presidente da Câmara dos Deputados, um dos grandes responsáveis pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, se mostrou bastante apreensivo por causa da delação da JBS.

O silêncio de Cunha custa muito caro

Segundo o jornal O Globo, a JBS pagou cerca de R$ 5 milhões a Eduardo Cunha para que ele não fechasse o acordo de delação premiada na Lava Jato. O ex-deputado chegou a falar com alguns interlocutores que a delação da Odebrecht seria fichinha perante a que seria feira pela JBS. O ex-deputado chegou a afirmar que “se a JBS delatar, será o fim da República”.

Realmente a situação política e econômica do Brasil mais uma vez vai enfrentar uma grande crise e, infelizmente, como sempre, o povo brasileiro é que vai sair ainda mais prejudicado.