Michel Temer vem vivendo o que pode ser considerado o pior momento de sua vida política desde à noite de quarta-feira (17), quando o jornal O Globo, por meio do jornalista Lauro Jardim, divulgou o envolvimento do peemedebista com a delação de executivos da JBS. Após a divulgação do escândalo, a pressão popular e dos partidos de oposição tomou conta do cenário político nacional. Até a madrugada de sexta-feira (19), a Câmara dos Deputados já tinha recebido oito pedidos de impeachment de Michel Temer.

O primeiro foi protocolado pelo deputado Alexandre Molon (Rede-RJ) poucas horas depois da bomba ter estourado em todo país.

Curiosamente, até deputados do PSDB, principal partido da base aliada de Michel Temer, protocolaram um pedido de impeachment contra o peemedebista. O deputado tucano João Gualberto (PSDB-BA) foi o responsável por executar a solicitação.

O pedido mais robusto foi protocolado na tarde desta quinta-feira (18), quando as bancadas do PCdoB, PT, PDT, PSol e Rede, todos partidos de oposição, junto com alguns deputados do PSB, PTB e PHS, partidos da própria base aliada de Temer, e assinaturas de representantes da sociedade civil encaminharam à Câmara dos Deputados o pedido de impeachment de Michel Temer. #Dentro da política