O Brasil entrou em êxtase após um plantão da Rede Globo entrar no ar na noite desta quarta-feira (17). A apresentadora do Jornal Nacional Renata Vasconcellos informava a divulgação de uma reportagem do jornal O Globo que mostrava uma gravação comprometendo o presidente da República, Michel Temer, que teria dado aval a suborno a Eduardo cunha, ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara que recebia mesadas pelo seu silêncio.

Ele está preso por corrupção como parte da Operação Lava Jato.

"Tem que manter isso, viu?", disse Temer ao ser questionado sobre mesada a Eduardo Cunha, segundo Joesley Batista, um dos donos da JBS, que teria gravado a conversa com o presidente. O grampo revela ainda que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) pediu R$ 2 milhões ao empresário para pagar sua defesa na Lava Jato.

Durante o encontro em um hotel de São Paulo, Joesley Batista perguntou a Aécio quem pegaria o dinheiro.

O senador disse: "Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred [primo de Aécio] com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do c*****".

A Polícia Federal já estaria em posse dos vídeos em que o irmão de Aécio Neves recebe o dinheiro. A PF rastreou e descobriu que o dinheiro foi depositado na conta de uma empresa do senador Zezé Perrela (PSDB-MG).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer

Nesse mesmo instante, a política brasileira entrou em um verdadeiro caos, não que já não estivesse. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, encerrou a sessão dizendo não ter mais clima para trabalhar, tendo ao fundo gritos como "Fora Temer" e "Diretas Já" vindo dos deputados. Segundo assessores, Maia deixou o local às pressas com destino ao Palácio do Planalto para falar com Temer.

Os deputados da Rede logo começaram a agir e já protocolaram pedido de impeachment do presidente Temer.

Há também informações de que o Deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) já apresentou o pedido de impeachment, que será analisado previamente por Rodrigo Maia. O STF (Supremo Tribunal Federal) não confirma se delação de donos da JBS foi homologada.

O PSDB ameaça deixar base do governo, caso as imagens e áudio que comprometem Temer apareçam. Houve fila dos deputados para falar com a impressa. Líderes de todos os partidos da Câmara convocaram reunião de emergência, na pauta: "Caiu a República".

Essa é a frase que mais se fala neste momento no plenário da Câmara dos Deputados. A defesa de Eduardo Cunha divulgou que ele não vai se manifestar por enquanto.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) foi o responsável por dar a notícia, em plenário, do suposto áudio entre donos da JBS e o presidente Michel Temer. "O governo Temer acabou", afirmou.

A JBS, origem dessa delação-bomba, é a maior doadora de campanha de políticos no Brasil.

Em 2014, foram R$ 366,8 milhões.

O que se tem certeza por enquanto é que Brasília está em temporal, literalmente. Eduardo Cunha está fazendo o que prometeu, disse que cairia, mas não sozinho.

E agora o que se instala no país é apreensão, incerteza. O que será que vem pela frente?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo