Após a votação no STF que resultou em liberdade para o petista José Dirceu, o ministro gilmar mendes fez duras críticas à força-tarefa do Ministério Público Federal do Paraná, que tem como objetivo de conduzir os processos da Operação Lava Jato em primeira instância, após eles terem apresentado uma suposta denúncia contra o ex-ministro, no dia em que seu pedido de liberdade estaria sendo votado pela segunda turma do STF.

"A imprensa publica que as razões que os valorosos procuradores de Curitiba dão para a data de hoje é porque nós julgaríamos o habeas corpus hoje, ministro Fachin. Já foi dito da tribuna (pelo advogado de defesa, Roberto Podval). Se nós devêssemos ceder a esse tipo de pressão, quase que uma brincadeira juvenil, são jovens que não têm a experiência institucional nem vivência institucional, então eles fazem esse tipo de brincadeira...

Se nós cedêssemos a esse tipo de pressão, nós deixaríamos, ministro Lewandowski, de ser 'supremos'. Nem um juiz passaria a ser 'supremo'. Seriam os procuradores. Quanta falta de responsabilidade em relação ao Estado de Direito. O Estado de Direito é aquele em que não há soberanos, todos estão submetidos à lei", afirmou o ministro Gilmar mendes.

O voto concedido por Gilmar durante votação foi o que desempatou o julgamento, junto com outros dois ministros, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, e os que foram contra a libertação de José Dirceu foram Edson Fachin e Celso de Mello, pois queriam manter a ordem de prisão emitida pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Governo

Na manhã de desta terça-feira (2), o procurador da força-tarefa da Operação Lava Jato Delta Dallagnol fez uma nova denúncia contra o ex-ministro José Dirceu, já temendo o habeas corpus que o supremo poderia dar. Dallagnol também afirmou que mesmo o MPF do Paraná não estaria ordenando uma nova ordem de prisão, José Dirceu possui diversas razões para se manter preso e que o STF tomará decisão correta após receber nova denúncia.

Já é o terceiro caso em que o STF solta uma vítima que foi condenada a prisão pela Lava Jato e, em todos, o ministro Gilmar Mendes votou a favor da liberdade dos sentenciados. Agora cabe ao juiz Sergio Moro decretar quais serão as obrigatoriedades que José Dirceu precisará arcar enquanto tiver vínculo com a investigação, podendo também impor alguns serviços para o ex ministro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo