Nesta terça-feira (17), o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva acertou a inclusão de um novo advogado criminalista, Manoel Caetano Ferreira Filho, deverá atuar em duas ações penais em defesa do petista. O substabelecimento de autoria de Cristiano Zanin Martins, foi anexado aos autos processuais à nova inscrição do defensor que atualmente leciona na Universidade Federal do Paraná (UFPR), por coincidência ou não, trata-se da mesma Faculdade que o juiz Sérgio Moro ministra aulas.

No entanto, o advogado Zanin Martins vai continuar unindo forças aos defensores Roberto Teixeira e José Roberto Batochio, que formam o quarteto da defesa do petista.

Manoel Caetano é Mestre em Direito processual, além de ser professor da Faculdade que o Juiz federal participa como docente licenciado, portanto, o criminalista será uma espécie de reforço ao antigos advogados.

Ferreira Filho teve visibilidade ao ser contrário a competência de Moro na Operação Lava Jato, assinou uma carta de juristas em desfavor do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em uma das ações que o criminalista deverá se dedicar, o petista responde pelos crimes de #Corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Na verdade, #Lula é suspeito do recebimento de 3,7 milhões patrocinados pela construtora OAS, a título de vantagens indevidas (propinas).

Conforme denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o ex-presidente recebeu valores ilícitos pela empreiteira por intermédio da reserva e reforma de um apartamento tríplex, localizado no Guarujá, estado de São Paulo.

Os melhores vídeos do dia

Também depositou aos cuidados de transportadora todo acervo presidencial.

Outra Ação Penal

Ferreira Filho deverá defender o petista sob os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pela alegação do recebimento de 13 milhões de reais provenientes da construtora Odebrecht. Ressalta-se que uma fração do montante total no valor de 12,4 milhões de reais, foram investidos para a aquisição de um terreno em local nobre, para agregar a nova sede do Instituto Lula em São Paulo, porém, o estabelecimento foi construído em outro endereço.

Ademais, o restante que alcança um valor estimado de R$ 504.000 reais teriam sido dissolvidos na compra de cobertura de frente à do petista, no próprio edifício Hill House, em São Bernardo do Campo (SP), onde o petista reside. As aquisições segundo o MPF foram realizadas por meio de laranjas. #Sergio Moro