Parece que o dia 10 de maio será um dia de intensas manifestações a favor e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Polícia Federal (PF) está monitorando os grupos e o deslocamento deles. Os que forem a favor ao ex-presidente ficarão concentrados na Rua XV de Novembro, e os anti-Lula estarão no Centro Cívico.

Para por ainda mais fogo ao clima tenso, os grupos anti-Lula resolveram mandar mensagens para o petista. Foram espalhados em Curitiba vários outdoors com frases como: "A República de Curitiba te espera de grades abertas".

O encontro entre Lula e o juiz federal Sérgio Moro seria no dia 03 de maio, mas por questões de segurança e a pedido da PF foi mudado para 10 de maio.

Militantes petistas e simpatizantes do ex-presidente estão montando caravanas juntamente com os movimentos sociais para lotarem Curitiba. Os grupos e movimentos que são a favor de Moro admitiram que também estarão lá torcendo para que o juiz declare a prisão do petista.

Revolta petista

Integrantes do Partido dos Trabalhadores (PT) repudiaram a atitude de quem colocou os outdoors. De acordo com eles, isso contribui para que o clima esquente ainda mais. O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) criticou os outdoors e considerou um ato absurdo. "isso é injúria e me preocupa o que irá acontecer quando os dois grupos se encontrarem na quarta-feira (10)", disse o deputado.

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná determinou que o prédio da Justiça Federal não terá expediente. Também foi combinado um bloqueio de um raio de 150 metros.

Os melhores vídeos do dia

Ninguém poderá se aproximar do prédio, com exceção, dos jornalistas autorizados e pessoas ligadas ao depoimento, como advogados e procuradores.

A Polícia teme que possa ocorrer um encontro entre os grupos e isso pode afetar a segurança de todos.

Acusação

O ex-presidente Lula é acusado de receber propina da construtora OAS, conforme relatos do ex-presidente Léo Pinheiro. O petista foi beneficiado com um triplex no Guarujá, litoral de São Paulo. Conforme a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o triplex pertence a Lula.

Moro já tem várias provas da ida do petista no prédio. Um zelador, que inclusive foi demitido, revelou encontros entre Lula, dona Marisa (falecida) e Léo Pinheiro no local. Ele chegou a ouvir uma conversa na qual dona Marisa pedia a instalação de um elevador no imóvel.

O ex-presidente da OAS também afirmou, em depoimento, ao juiz Sérgio Moro que o triplex era mesmo de Lula. O ex-presidente nega.