Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio cabral, teve a autorização do juiz Marcelo Bretas, da 7° Vara Federal do Rio, para ter um computador em sua casa. O pedido dela foi para que ela pudesse fazer consultas dos seus processos, que, atualmente, se encontram apenas em forma eletrônica.

O Ministério Público Federal (MPF) quer que o juiz reconsidere a sua decisão. A desconfiança dos procuradores é muito grande.

Adriana foi acusada de Corrupção e lavagem de dinheiro ao participar de um esquema criminoso que teria o comando do ex-governador do Rio Sérgio Cabral. No momento, ela está em prisão domiciliar concedida pela Justiça e não pode ter acesso à internet e nem a telefone.

Para a Procuradoria, autorizar a entrada de um computador no apartamento de Adriana facilitaria para ela conseguir acesso fácil para navegar na internet. Um modem sem fio pode ser conectado e desconectado a qualquer momento e os agentes federais que fazem vistorias no apartamento dela nunca saberão se ela se conectava ou não. Com esse modem sem fio, ela pode esconder o objeto e ninguém notar a sua utilização.

Corrupção

Investigadores da força-tarefa [VIDEO] da Operação Lava Jato no Rio comentaram que os crimes de corrupção são, geralmente, cometidos pela internet e, por isso, deve se tomar todas as precauções necessárias. Ela pode, inclusive, movimentar o patrimônio oculto de Cabral.

Adriana está presa desde dezembro do ano passado e em março ganhou o benefício da prisão domiciliar. Esse direito ganho por ela foi em consideração a seus filhos, que são menores de idade e precisavam do contato dos pais.

Os melhores vídeos do dia

A 1ª Turma Especializada no Tribunal Regional Federal da 2° Região entrou com um pedido para que ela volte para a prisão. Mas, até agora, os recursos estão sendo analisados.

Sérgio Cabral em Benfica

O ex-governador do Rio foi transferido, neste domingo (28), para uma nova unidade prisional que fica em Benfica, Zona Norte do Rio. A Secretaria de Administração Penitenciária afirmou que toda a transferência aconteceu normalmente e ele já está submetido aos critérios da unidade.

O novo local é destinado para os presos que possuem Ensino Superior e aqueles que não estão pagando as pensões alimentícias. A unidade passou por uma reforma para receber os 146 presos.

De acordo coma Secretaria, a obra custou R$ 26 mil e foi usada mão de obra dos próprios detentos. Ela é monitorada por 32 câmeras, incluindo o local de banho de sol.