Na próxima quarta-feira , dia 2 de agosto, às 09h da manhã, todos os olhares estarão voltados para a sessão que vota pela aceitação ou não do andamento das investigações que envolvem o Presidente Michel Temer.

A denúncia contra Temer

O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, acusa o presidente de ter recebido propina no valor de R$ 500 mil reais pagos em espécie, através do ex-assessor Rodrigo Rocha Loures.

O montante seria oriundo da JBS, empresa dos irmãos Wesley e Joesley, responsáveis pelos pagamentos de esquemas e compras de privilégios que fizeram a empresa crescer vertiginosamente na última década. O flagrante foi filmado durante operação da Polícia Federal.

Defesa de Temer

Embora as provas sejam consistentes, a defesa de Michel Temer apela para a desconstrução da acusação, afirmando que tudo não passa de uma história fictícia. Antônio Cláudio Mariz de Oliveira é o advogado que assina a defesa e opta por tratar a acusação como fundada em suposições e hipóteses.

Votação da denúncia

A sessão começa a partir da presença registrada do 51° deputado e com 52 se inicia a ordem do dia. Tudo indica que Michel Temer acompanhará a votação do Palácio do Planalto. A lei prevê o direito do presidente dividir o tempo de discurso com o advogado de defesa, mas, neste caso, o acusado não comparecerá à sessão.

A ordem de votação será a mesma do processo de cassação da ex-presidente Dilma Rousseff, respeitando ordem alfabética e divididos por regiões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer

A expectativa é de que a sessão se estenda até a madrugada visto que cada deputado terá direito a 5 minutos de discurso, além dos procedimentos iniciais de leitura do parecer e discussões. Segundo o presidente da câmara Rodrigo Maia, os esforços serão para que nada atrapalhe o andamento da sessão e a questão saia da pauta e possam dar continuidade na agenda de reformas.

O que muda com a condenação

Se dois terços dos deputados votarem pela aceitação da denúncia, o processo se encaminha para os ministros do Supremo Tribunal Federal que decidem em maioria simples se o presidente vira réu.

Caso assim seja, Temer é afastado por 180 dias e quem assume a presidência é Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Se condenado, a Constituição Federal prevê uma eleição indireta, pela Câmara dos Deputados, para decidir quem assume a cadeira até o fim do mandato, em 2018.

Novas denúncias

Nesta semana, a revista Época divulga uma matéria especial sobre novas provas oferecidas pela JBS em delação, que incriminam o peemedebista e outros políticos de diversos partidos.

São recibos e planilhas que somam bilhões e podem agravar ainda mais a crise política.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo