Jair Messias Bolsonaro, deputado federal (PSC-RJ), já foi acusado várias vezes de ser homofóbico. Apesar dele se exceder elevando por vezes o tom da sua voz em algumas das suas posições políticas e conservadoras, Bolsonaro, neste domingo (13), no Dia dos Pais, mostrou que não tem essa característica de homofóbico que muitos o rotulam.

Um homossexual famoso e Bolsonaro se abraçaram em tom de amizade no Dia dos Pais. Amin Kadher, homossexual assumido, surpreendeu Bolsonaro pelo gesto de amizade e carinho para com o deputado ao abraçá-lo e beijá-lo em tom amistoso, sem nenhum tipo de malícia. O deputado, por sua vez, recebeu a atitude com uma boa receptividade: retornando todo carinho dado por Amin Kadher.

Bolsonaro nega as acusações de ser homofóbico

O deputado já afirmou várias vezes que sua luta não é contra os homossexuais, mas, sim, contra o conhecido "Kit gay", apelidado pelo próprio Bolsonaro de forma pejorativa. Esse material seria entregue, segundo ele, para crianças de 6 anos que ainda estão no ensino primário.

De acordo com o parlamentar, o "kit gay" não serve como base para um bom ensino para crianças e abre brecha para a pedofilia, visto que, na sua visão, crianças de 6 anos não têm o discernimento para saber a carga ideológica ali passada para elas através de um material didático, idealizado por alguns políticos de esquerda e distribuído, caso fosse aprovado, pelo MEC (Ministério da Educação).

Jair Bolsonaro, a vontade de ser presidente em 2018 e o partido PEN

Jair Bolsonaro, que ainda está no Partido Social Cristão, disse, na quinta-feira (10), que seu "casamento" com o PEN só continuará caso o partido tire a Ação Declaratória de Constitucionalidade que tem junto com a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) contra a deliberação do Supremo Tribunal Federal (STF) de aceitar as prisões na segunda instância.

O deputado tem vontade de disputar as eleições à Presidência da República em 2018 pelo PEN. "Isso mexe com o futuro do país", disse ao falar que o processo vai prejudicar a Operação Lava Jato e estimular a corrupção.

A encontro foi promovido pelo partido PEN em um hotel na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Jair Bolsonaro afirmou no evento que há situações que podem acontecer e outras que podem chegar a não acontecer. Ele afirmou que soube do processo há dez dias do evento.

O deputado concluiu dizendo que o processo, caso tenha um parecer positivo do STF, é o fim da Lava Jato. O deputado afirmou que ainda há um "namoro" com o partido, que só se tornará "casamento" caso sua exigência seja aprovada.