Viralizou nesta semana um vídeo divulgado pelo deputado Jair Messias Bolsonaro nas redes sociais e no Youtube. No vídeo, Danilo Gentili entrevista o professor universitário Diego Aranha, que faz graves denúncias a respeito da segurança das urnas brasileiras. Jair Bolsonaro, que vai mudar de partido em breve, é o autor do projeto de lei do voto impresso. O projeto foi aprovado pelo Congresso ano passado e tem como objetivo permitir a recontagem de votos em caso de suspeitas de fraude.

Publicidade
Publicidade

Confira o vídeo abaixo:

Diego Aranha é um respeitado especialista em Criptografia e Segurança de Computadores brasileiro. Se formou em Ciência da Computação numa das melhores universidades brasileiras, a UnB - Universidade de Brasília e se especializou em Criptografia no exterior, especialmente na Universidade de Waterloo, nos EUA. Além de ter prestado serviços para empresas de segurança, já deu aulas na UnB e atualmente leciona na Unicamp.

Publicidade

Em todos os casos seu foco sempre foi Segurança da Informação. Atualmente coordena um grupo de pesquisa na universidade paulista com o objetivo de apresentar alternativas mais seguras às urnas eletrônicas brasileiras.

Com um currículo desses não é de se surpreender que tenha sido convidado pelo TSE, ainda em 2012 e, juntamente com outros pesquisadores brasileiros, a testar o sistema de segurança das urnas eletrônicas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

Sua equipe teve sérias restrições para fazer os testes: Apenas 3 dias, uma equipe pequena (4 pesquisadores da UnB, incluindo o próprio Diego) e também não podiam modificar o hardware das urnas. Tinham que ler milhares de linhas do código fonte do sistema, entendê-las, descobrir brechas significativas e encontrar uma forma de explorá-las. Todas essas limitações não existiriam para um hacker mal intencionado, o especialista ressalta.

Mesmo com todas as dificuldades Diego Aranha e sua equipe encontraram falhas. E não foram falhas simples, o que ele comprovou foi estarrecedor: Seria possível para um hacker, estivesse ele infiltrado no TSE ou não, descobrir quem votou em cada candidato. Mas ao contrário do que se esperava, o Tribunal Superior Eleitoral não recebeu com bons olhos as críticas do professor Aranha. Pelo contrário, declarou que as urnas são totalmente seguras, e afirma que nos últimos 21 anos (as urnas eletrônicas foram implantadas no Brasil em 1996) nenhuma fraude jamais foi comprovada.

Publicidade

O professor rebateu dizendo que é quase impossível comprovar alguma fraude nas Eleições já que não é possível fazer uma recontagem de votos. Nas últimas eleições a polícia federal investigou a denúncia de que hackers estariam cobrando até 5 milhões de reais para fraudar as urnas.

As principais falhas denunciadas pela equipe de André Aranha:

  • Apenas uma chave para todas as fechaduras - A chave, que pode ser considerada uma espécie de senha que criptografa todas as urnas eletrônicas, é a mesma; Em tese, se um hacker conseguir violar a criptografia de uma urna, todas as 500 mil urnas usadas no Brasil estão igualmente vulneráveis.
  • Descobrir em quem cada pessoa votou - Não exatamente, mas seria possível saber em quem o primeiro, segundo, terceiro (e assim sucessivamente) eleitor votou e em que momento exato ocorreu o voto. Assim se o invasor pudesse filmar a fila de votação poderia saber como cada um votou.

Ano passado André F.

Publicidade

Aranha participou mais uma vez do chamado Teste de Segurança Pública 2016. Dessa vez o TSE não o convidou, mas ele foi indicado pela . As restrições e o tempo para encontrar falhas na edição 2016 eram as mesmas, mas o prêmio em dinheiro para quem encontrasse falhas foi abolido. Mais uma vez foram encontradas falhas no sistema, segundo o próprio Ministro do STF e presidente do TSE Dias Toffoli, mas dessa vez as informações são confidenciais. Todos os pesquisadores assinaram um acordo de confidencialidade. Dias Toffoli se limitou a afirmar que as falhas encontradas não colocavam em risco a segurança das eleições, alegação utilizada pelo TSE também em 2012.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo