O Centrão [VIDEO]começa a colocar as asas de fora após ter conseguido barrar a denúncia contra Michel Temer por corrupção na Câmara dos Deputados. Agora, os parlamentares do grupo cobram a fatura e exigem cargos em troca de futuros votos favoráveis ao Planalto. Os principais trunfos do Centrão seriam a reforma da previdência e uma segunda denúncia que já é esperada da Procuradoria-Geral da República contra Temer.

O principal desejo dos deputados do Centrão é o de articulação, na Secretaria de Governo, que hoje é ocupado por Antonio Imbassahy (PSDB). Segundo a repórter da GloboNews e do G1, Andréia Sadi, o objetivo do grupo seria redimensionar o PSDB dentro do governo, já que os tucanos ocupam quatro ministérios.

Essa ideia veio à tona após a sessão de votação da denúncia contra Michel Temer, quando a bancada do PSDB se dividiu. O desejo do Centrão é que o Planalto reconsidere o espaço dado ao partido e prestigie aqueles parlamentares que o apoiaram incondicionalmente.

Para a vaga de Imbassahy, o Centrão apoia o nome do deputado André Moura (PSC), que atualmente ocupa o cargo de líder do governo no Congresso. Moura é um dos principais antigos aliados de Eduardo Cunha (PMDB) [VIDEO] quando o ex-deputado presidiário esteva à frente da presidência da Câmara dos Deputados. O nome de Moura é visto com bons olhos porque ele tem trânsito com os deputados do "baixo clero", que, basicamente, compõem o Centrão.