Foi bastante criticada a atitude do Ministro gilmar mendes pelo Procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol, e tal atitude contrariou a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). [VIDEO] Foi decidido pelo Ministro Gilmar que não haveria mais prisões condenadas em segunda instância.

Segundo o procurador Dallagnol, o resultado desta decisão é o mesmo que deixar os corruptos e criminosos impunes. Ele disse que desta forma, na Operação Lava Jato ninguém seria preso, pois na maioria das vezes os investigados são réus poderosos.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

"Onde o Ministro Gilmar queria chegar com isso?" questionou o procurador.

O procurador Deltan também fez citações falando sobre duas condenações em segunda instância feitas pelo juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato, na qual um deles foi o empresário Márcio Bonilho e Waldomiro de Oliveira que trabalhavam para o doleiro Alberto Youssef.

Segundo o procurador, levou cerca de três anos para concluir as investigações e prender os acusados, sendo que o STF e o juiz Sérgio Moro são os mais rápidos e ágeis do país para resolver os crimes de corrupção, Até então não existia nenhuma condenação durante as investigações, somente prisões preventivas que só são pedidas quando os réus oferecem perigos para a sociedade.

O procurador Deltan disse também que os crimes de corrupção como pagamentos de propinas e lavagens de dinheiro, passaram a ter suas condenações confirmadas só depois da terceira instância, jamais foram ou serão punidos, e que a impunidade é que está imperando no país, e questionou dizendo "onde a justiça quer chegar com isso".

O Ministro Gilmar Mendes decide que réus não serão mais presos em segunda instância

Foi decidido pelo Ministro Gilmar Mendes que réus não serão mais obrigatoriamente presos em condenações de segunda instâncias.

Segundo o Ministro Gilmar, agora será preciso passar por uma terceira instância para decretar ou não as prisões dos investigados. Essa decisão acabou favorecendo o ex-deputado [VIDEO] Federal do PT, o mensaleiro João Paulo Cunha.

O Juiz Federal Sérgio Moro executa sua primeira condenação em segunda instância

Na ultima quarta-feira (23), foram decretadas pelo Juiz Federal Sérgio Moro, as prisões do empresário Márcio Andrade Bonilho e Waldomiro de Oliveira, que trabalhavam para o doleiro Alberto Youssef. A decisão de Sérgio Moro foi tomada de acordo com as ordens do Tribunal Regional Federal da quarta Região (TRF-4) para estabelecer um prisão provisória do empresário Bonilho e determinar a prisão definitiva de Waldomiro de Oliveira. Estas foram as primeiras prisões feitas pelo Juiz Federal Sérgio Moro com base no entendimento do STF, em que condenados em segundo grau foram aprisionados.