O prefeito de São Paulo, João Doria [VIDEO] (PSDB), participou ontem, ao vivo, do programa Jornal da Bandeirantes Gente, na Rádio Bandeirantes, e ao ser entrevistado por José Paulo de Andrade, Salomão Ésper, Rafael Colombo e Pedro Campos, falou sobre diversos assuntos, como buracos nas ruas, transporte público, parceria, etc. Mas demonstrou irritação e descontentamento quando foi apertado sobre o excesso de viagens que vem fazendo para participar de eventos e ser homenageado.

O jornalista Rafael Colombo perguntou se não era um contrassenso o prefeito de São Paulo, em um mês, fazer nove viagens para o interior, outros estados e até para fora do País, mas ir apenas uma vez à Zona Leste, mais precisamente ao Shopping Aricanduva.

Visivelmente desconfortável, Doria respondeu que viagens fazem parte da vida de qualquer homem público e que a ida dele ao Shopping Aricanduva foi para participar de um evento para a realização de cirurgia de catarata e que 10 mil pessoas estavam presentes. Ainda segundo ele, não há necessidade dele estar cinco, seis vezes na Zona Leste no prazo de quatro semanas.

Doria ainda se irritou pelo fato do jornalista estar levando em conta apenas o último mês para apresentar dados e garantiu que em oito meses fez mais que seu antecessor. Afirmou, sem esconder a irritação, que o jornalista, às vezes, coloca que ele abandonou a cidade.

Bate-boca esquentou

Colombo insistiu nas viagens e afirmou que trabalha em jornalismo desde a década de 1990 e não tinha visto um prefeito agir assim (se referindo ao número de viagens).

Novamente irritado, Doria cortou e questionou em tom imperativo “Qual o problema de viajar? (...) Eu sou diferente, eu sou moderno, não sou antigo, eu uso tecnologia”.

O jornalista Salomão Ésper questionou a afirmação de Doria de que é possível administrar São Paulo mesmo estando em outro estado, e o prefeito [VIDEO] voltou a falar que com tecnologia isso é possível, pois dá para utilizar um celular ou um tablet e tomar decisões mesmo sem estar presente fisicamente.

Na sequência da resposta, Doria tentou se comparar ao presidente da Rede Bandeirantes para justificar suas viagens. “O dia que o João Carlos Saad não puder viajar, pois a cada viagem será acusado de ter abandonado a Rede Bandeirantes de Rádio e TV, eu deixo de viajar”. A colocação originou uma resposta dura e irônica do jornalista José Paulo de Andrade “É, mas é que ele não foi votado para ser presidente”. Sem graça e com um tom de voz mais baixo, Doria respondeu: “Não importa, não é questão de ser votado ou não votado, é questão de eficiência.

Eu tenho equipe”

Será ou não será candidato a presidente?

Durante a entrevista, Doria novamente deixou no ar se será ou não candidato à presidente. Andrade perguntou: “O senhor confirma que será só 15 meses mesmo?” Se referindo ao tempo que o prefeito comandará São Paulo e depois deixará o cargo para disputar à presidência. Sorrindo, um tanto constrangido, Doria disse “Não, isso não está no horizonte”. Andrade rebateu: “Por enquanto, né?”.