Será votado nesta quarta-feira (16) pela comissão da Câmara que analisa a reforma política o projeto que viabiliza uma lei que permite que partidos possam receber doações eleitorais ocultas, entre outros regimentos. O deputado federal Vicente Cândido do (PT-SP), relator do texto, adicionou este ponto ao projeto nessa terça-feira (15).

Segundo ele, isso irá proteger e favorecer os eleitores, visto que agora o doador do dinheiro tem o direito de escolher se divulga ou não sua identidade, com exceção para o controle do Ministério Público devido à prestação de contas e fiscalização.

A lei seria válida apenas para quem doasse acima de três salários mínimos (R$ 2.811, atualmente), mas foi ampliada para todos.

A proposta ganhou críticas de muitos, que alegam que a lei não permitira a transparência nas doações.

O Congresso exige explicações do ministro Bezerra

O ministro da Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, foi intimado a comparecer no Congresso para explicar o motivo pelo qual as planilhas de pagamento da empresa não estarem detalhadas. O deputado [VIDEO]João Arruda do (PMDB) fez um pedido de requerimento das informações a empresa Itaipu para supervisionar os salários da diretoria da empresa.

Como o pedido não foi atendido pela companhia, que lhe enviou uma planilha que ficou disponível via internet, o deputado Arruda disse não ter entendido muito a planilha, que não estava clara e que faltavam mais informações sobre os pagamentos. Então, foi feita uma convocação oficial para que o ministro compareça para esclarecer tudo através da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara.

Essa resistência da empresa de não querer falar sobre os segredos leva a acreditar que se revelado os valores dos salários de diretoria, geraria ainda mais problemas para o governo.

Governo anuncia proposta que reduz salários iniciais de funcionários públicos

Foi anunciado nessa terça-feira pelo governo que haverá um corte de 60 mil cargos no setor executivo que neste momento estão vagos. Segundo Dyogo Oliveira, ministro do Planejamento, não irá ter demissões. Ele também disse que os salários dos funcionários públicos federais serão congelados, apenas os militares que não sofrerão nenhuma redução em seus vencimentos.

Mas para essas mudanças acontecerem depende ainda da aprovação do Congresso. Um exemplo: na gestão governamental o salário inicial é de R$ 16.933,34, mas, caso a proposta venha ser aprovada, será reduzido para um terço, que seria apenas R$ 5 mil.

Segundo o governo, funcionários concursados recebem três vezes mais que um operário no serviço privado, comparado a cargos de níveis médio e fundamental. Para cargo ocupado por nível superior, chega a duplicar. De acordo com o governo, serão reduzidos pelo menos 70% dos salários iniciais dos servidores públicos. A previsão é que em dez anos nesse regime resulte em uma economia equivalente a R$ 70 bilhões.