No 23° Seminário Internacional de Ciências Criminais, ocorrido recentemente em São Paulo, aos olhares atentos de diversos operadores de direito, a subprocuradora geral da República Ela Wiecko de Castilho [VIDEO] questionou os métodos de atuação da Força Tarefa que comanda a Operação Lava Jato.

Castilho afirmou que trâmites da Lava Jato seguem ‘caminhos de exceção’ conforme as próprias palavras usadas pela subprocuradora para justificar as suas críticas.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lava Jato

A subprocuradora foi taxativa ao dizer que a Lava Jato passou dos limites em alguns casos, que garantias individuais dos acusados tais como a proteção da imagem [VIDEO], presunção de inocência e do equilíbrio devido no processo.

A sociedade não ganha nada com isso,afirmou Castilho.

Segundo Castilho, os direitos dos investigados estão diretamente relacionados a quem os investiga. ‘Há uma escolha nas opções dos alvos de investigação’, disse ela.

A subprocuradora da República atuou na gestão de Rodrigo Janot até o mês de agosto de 2016, ocupando o cargo de vice -procuradora e agora está na disputa pela titularidade [VIDEO] do posto a partir de 16 setembro, quando Janot deixa o cargo.

A ilustre convidada do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais disse não ser fato comum em todo Ministério Público Federal a ‘exceção nos processos penais’, porém o ato é visível nas ações da Lava Jato e ‘em parte’, na Procuradoria Geral da República.

Castilho afirmou que os dois processos em que os colegas de Curitiba estão a frente, o mensalão (Ação Penal 470) e a Operação Lava Jato fere ao menos sete normas do ‘garantismo’ publicadas pelo jurista Fernando Hideo Lacerda.

Na linha jurídica de Fernando Hideo Lacerda, a subprocuradora citou o julgamento de acordo com a opinião pública ou publicada, transformando o processo em um cenário midiático que acaba fortalecendo alguns interesses políticos, e a aplicação distorcida da teoria do domínio do fato respectivamente.

Na ótica de Castilho, forma-se um cenário entre a luta do ‘bem’ contra o ‘mal’, porém nesse quadro, os mocinhos também violam as leis para que o espetáculo continue com grande audiência, sem se levar em conta as consequências sócio-econômicas, vazando inclusive informações sigilosas desde que seja interessante.

A palestrante concluiu suas críticas, dizendo que a escolha do processo penal está sendo aplicada de forma ampla de acordo com alvo a ser investigado, e a prática das conduções coercitivas , ‘não está alcançada nas regras legais’.