Integrantes da força-tarefa de Curitiba procuraram a futura procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e entregaram um esquema montado por Rodrigo Janot para tentar favorecer o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente cassada Dilma Rousseff e outros petistas. A denúncia é de extrema gravidade e só não complicou as investigações da Lava Jato porque, por trás dela, estava o juiz Sérgio Moro, que teve um posicionamento firme e destruiu algumas investidas de procuradores ligados a Rodrigo Janot.

Segundo a denúncia da força-tarefa, Janot e sua equipe montaram, há cerca de um ano e meio, uma investigação da Lava Jato paralela à principal. A intenção deles era favorecer o PT e tentar acabar com o presidente Michel Temer e líderes do PMDB. Nos últimos dias, sem o consentimento do pessoal de Curitiba, o grupo de Janot decidiu retardar a homologação da delação da OAS, que já estava pronta há 10 dias para ser entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Com isso, a turma do procurador-geral da República deu prioridade para forçados acordos de delação com o ex-deputado Eduardo Cunha e o operador do PMDB, Lúcio Bolonha Funaro. Janot exigiu uma nova denúncia urgente contra Michel Temer, antes dele deixar o cargo e, para isso, sua equipe tenta pressionar Cunha e Funaro para que falem sobre Temer.

Esquema montado

Para a turma de Curitiba, Janot elaborou um esquema para ajudar Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Michel Temer

Eles preferiram ignorar as delações da OAS que já tem todos os artifícios para incriminar Lula e Dilma, e se comprometeram com delações que ainda não possuem provas concretas contra o presidente Temer.

De acordo com um desabafo de um membro da Lava Jato do Rio Grande do Sul, Janot só não conseguiu dominar toda a Operação Lava Jato porque os procuradores, no comando de Sérgio Moro, impediram o acontecimento.

Os procuradores ligados a Raquel Dodge já decidiram que todas as delações obtidas com o aval de Janot serão revistas, mas para isso é preciso que o STF esteja de acordo. Um procurador, que não quis se identificar, afirmou que confia no ministro Edson Fachin e acredita que ele vai permitir a revisão das delações, mesmo ele tendo uma simpatia pelo PT, pois foi Dilma que o indicou para o cargo.

Janot sem saída

O procurador-geral da República tem visto seus planos irem por água abaixo e pode estar preocupado com isso.

Com a rejeição da Câmara dos Deputados da denúncia contra Temer e a escolha de Raquel Dodge para o seu lugar, Janot está se vendo sozinho e o seu esquema vem ruindo.

Algo curioso e que chamou a atenção é que, na semana passada, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima declarou que havia recusado um convite de Temer, na época como vice-presidente, para uma conversa fora da agenda oficial. Lima não aceitou o convite, mas resolveu comentar esse detalhe apenas agora.

Por que ele esperou tanto tempo para revelar isso, sendo que o convite foi feito há mais de um ano? Lima tem sido um dos críticos da postura de Raquel Dodge.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo