O filme “Polícia Federal: a Lei é para Todos”, que foca na operação da Lava Lato, vem causando enormes questionamentos por parte de diferentes segmentos sobre quem teria bancando os custos da produção de aproximadamente 16 milhões de reais, tanto que o Sindicato dos Advogados de São Paulo entrará com uma ação exigindo que sejam revelados os nomes dos patrocinadores, que até agora, seguem em sigilo total.

O presidente do Sindicado dos Advogados de São Paulo, Aldimar Assis.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lava Jato

questiona se os patrocinadores podem ser empresas que prestam serviços públicos ou se há algum interesse eleitoral envolvendo a produção do filme.

O produtor do filme, Tomislav Blazic, afirma que não há nada de errado em não revelar quem financiou o filme, que pois são privados e isso é absolutamente normal e que se eles (investidores) quiserem, poderão revelar, mas ele não o fará para não se envolver no que chamou de patrulha ideológica.

Sigilo causa estranheza

Não é só o Sindicato dos Advogados de São Paulo que acha estranho os financiadores do filme permanecerem anônimos, jornalistas que escrevem sobre cinema e política também questionaram por que os que investiram perto de 16 milhões não querem aparecer?

Filme é criticado

Além das críticas de petistas sobre o fato do filme ser voltado a prejudicar a imagem apenas do PT e de Lula, [VIDEO] especialistas que já assistiram ao filme, que oficialmente será lançado no dia 7, afirmam que ele deixa e muito a desejar. Sérgio Moro é mostrado como um galã, bom pai, marido, um herói. Os agentes da lei também são mostrados no filme como se fossem super-heróis, já Lula, o antipático. O velho clichê bem x mal, que segundo alguns críticos deve agradar aos fãs de Moro [VIDEO], mas não aos de cinema.

Uma das críticas o limita, chamando-o de peça institucional da Polícia Federal.

Outra crítica sobre o filme é que ele deveria ter sido feito apenas após o fim da Operação Lava Jato para retratar o que de fato ficou comprovado, mas Blazic discorda e afirma que muitos filmes norte-americanos também foram produzidos no calor dos fatos e se tornaram grandes sucessos.

Internautas se dividem

Como em tudo ligado à política ultimamente, internautas se mostraram divididos em relação à qualidade e isenção do filme. Um afirmou que assistiu a pré- estreia e adorou “Vou de novo. Dá-lhe, Moro!”. Outra afirmou que estava ansiosa para assisti-lo, pois admira o trabalho da Lava Jato.

Mas também houve muitas críticas negativas. Um internauta ironizou; “Será que o filme mostrará a cena do Moro cochichando e sorrindo com o Aécio Neves? Outro foi mais profundo em sua ironia: “Um filme sobre corrupção, onde os financiadores do mesmo não podem ser revelados?