Anúncio
Anúncio

Um dos líderes mais polêmicos na história do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), João Pedro Stédile, se manifestou contra o juiz federal Sérgio Moro, num discurso realizado na noite da última terça-feira (05), em São Luís, no estado do Maranhão. Stédile se encontrava ao lado do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O chefe do MST discorreu palavras que demonstravam ódio e irritação contra o juiz federal paranaense, ao proferir vários xingamentos contra o magistrado, que é o responsável pela condução da maior operação de combate à corrupção na história contemporânea do país; a Operação Lava Jato.

Vale ressaltar que a Lava Jato é conduzida por Moro, em primeiro grau, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná.

Anúncio

Sérgio Moro já condenou o ex-presidente Lula, no âmbito da força-tarefa de investigação, a nove anos e seis meses de prisão, em processo relativo à aquisição do apartamento tríplex localizado na praia de Astúrias, na cidade de Guarujá, no litoral do estado de São Paulo.

O ex-mandatário do país foi condenado pela prática de crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Este processo tramita agora no TRF4 (Tribunal Regional da Quarta Região), que está sediado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Se confirmada a condenação na segunda instância, que é a chamada "Corte de Apelação", poderá resultar na inviabilidade da candidatura de Lula à Presidência da República, com base na Lei da Ficha Limpa, e até mesmo, numa determinação de prisão.

Anúncio

Palavras 'chulas' contra o juiz Sérgio Moro

Com a iminência de um desfecho, em relação ao caso que envolve o processo de condenação do ex-presidente Lula, o líder do MST, João Pedro Stédile, se referiu ao magistrado como um "merdinha", ou "bundão", durante seu discurso no evento ao lado de petistas e do próprio ex-presidente Lula.

O momento em que o chefe do MST começou a proferir palavras chulas contra Sérgio Moro, ocorreu ao fazer comentários em relação à proximidade da data em que Lula deverá prestar novo depoimento ao magistrado, na sede da Polícia Federal, em Curitiba, na próxima quarta-feira (13), em processo que o ex-mandatário é investigado no âmbito de uma ação penal da Operação Lava Jato, em se tratando de recebimento de propinas provenientes da empreiteira Odebrecht.

Anúncio

João Pedro Stédile ameaçou levar movimentos esquerdistas para a cidade de Curitiba, no dia do novo depoimento a ser dado por Lula a Moro. Já a décima terceira Vara Criminal de Curitiba, no Paraná, preferiu não se manifestar sobre o discurso do líder do MST. Já Stédile não foi localizado para comentar sobre as suas declarações.