Nesta quarta-feira (27), o entrevistado do programa "Conversa com Bial", da Rede Globo, foi o ator Carlos Vereza, que teve sucesso com o personagem do senador honesto Caxias, na novela "O Rei do Gado", na década de 1990. No programa, ele analisou o cenário político [VIDEO]do Brasil e deu sua opinião.

De acordo com o ator, as pessoas querem um "Pequeno Príncipe" na presidência da República e as coisas não são desse jeito. Mesmo sendo alvo de protestos e, possivelmente, sendo massacrado por várias pessoas, Carlos comentou que a melhor coisa, no momento, é deixar o presidente Michel Temer ficar até 2018. As pessoas têm adotado o refrão "Fora Temer", mas quem poderia estar no lugar dele?

Carlos afirmou que esse refrão não representa o que está acontecendo no Brasil a nível de algumas melhoras.

Ele citou a inflação, que tem caído, os juros caindo, investimentos estrangeiros voltando, bolsa batendo recordes. Por que tiraria Temer agora? O ator ressaltou que o Brasil não está caminhando para baixo, mas sim, está se consolidando nos seus objetivos. "Só topo tirar o Temer, se botar São Tomás de Aquino", brinca.

Denúncias

O ator acha que tudo deve permanecer do jeito que está até o final de 2018, mesmo Temer sendo alvo de várias denúncias. Punir o presidente agora é parar o Brasil e causar mais transtornos na vida das pessoas. Carlos é a favor de julgar Temer apenas depois do seu mandato.

Questionado sobre o que acha da esquerda, o ator foi enfático e afirmou que, naquela época, a esquerda era diferente da de hoje. Antes não tinha mansão de frente com o lago Paranoá e nem tinha carro importado.

Segundo Carlos, a esquerda acredita que é possível implantar um socialismo que matou mais de 100 milhões de pessoas no mundo. Em nenhum país, esse tipo de regime deu certo.

Em relação à direita, o artista acha que eles estão muito convincentes de que um candidato populista e autoritário possa resolver o problema do Brasil. "Ser radical não é a solução", afirma. O ator também não concorda com a intervenção militar, [VIDEO]pois isso, para ele, é apenas radicalismo.

Críticas

O ator disse que está preparado para receber várias críticas e ser chamado de vários apelidos, como "coxinha" e "fascista", mas, ele admite que essa é a visão dele sobre a política brasileira.

É importante as pessoas se expressarem livremente e colocarem seus pontos de vista em todas as situações. Carlos falou que, enquanto puder, vai falar o que pensa e não vai aceitar omitir aquilo que está explícito a sua frente.