O clima esquentou nesta terça-feira, 12, no plenário da Câmara quando um grupo de deputados discutiu sobre o cancelamento de uma exposição sobre diversidade sexual [VIDEO] que estava sendo realizada pelo Santander Cultural em Porto Alegre e foi suspensa. Os deputados Jean Wyllis (PSOL-RJ) e o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) se exaltaram e trocaram ofensas, em mais um espetáculo triste para a chamada “Casa do Povo”.

A confusão começou quando Wyllis foi falar ao microfone a favor da exposição. Feliciano se posicionou atrás e começou a erguer cartazes com fotos supostamente de obras da exposição. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), o advertiu para que parasse com aquilo, mas Feliciano começou a berrar que Maia era imparcial, pois outros faziam a mesma coisa e ele não proibia.

Aliados de Feliciano também passaram a berrar como se estivessem em um estádio ou boteco.

Quando Wyllis voltou a falar, notou que Feliciano seguia com os cartazes atrás dele e, num gesto rápido, arrancou um das mãos do colega. Nesse momento, um homem que parecia ser um segurança se colocou entre os dois, evitando o que poderia ser uma briga. Wyllis então apontou o dedo em direção a Feliciano e passou a falar, mas os microfones não captaram o que foi dito.

"Bando de ignorantes, hipócritas e corruptos"

Finalmente, Wyllis conseguiu falar e após afirmar que o Ministério Público tinha vistoriado as obras e descartado que havia pedofilia ou zoofilia, disparou: “O que está acontecendo aqui, seu presidente, é um bando de vendilhões do templo, hipócritas, investigados pela Justiça querendo utilizar esse caso para abafar os seus próprios crimes.

Essa gente não tem moral para falar de artista neste país. Volto a dizer, bando de ignorantes, hipócritas, corruptos”.

Outros deputados [VIDEO] falaram durante a sessão condenando a exposição, dentre eles o pastor Marco Feliciano. “Eu tenho aqui as fotos divulgadas naquela maldita (...) dentro daquele espaço, chamado de museu em Porto Alegre. Senhor presidente, criança viada está escrito aqui, criança transviada, a imagem de Cristo vilipendiada, sexo a três, sexo com animais e as crianças foram levadas para lá. O Santander (...) deve ser punido com muito rigor (...)”.

"Canalhice e cara de pau"

Na sequência, Feliciano usou de ironia e agressividade para provocar Wyllis. “Eu parabenizo o deputado Jean Wyllis, que tem muita coragem de defender a sua posição, mas é difícil defender o indefensável. Isso foi canalhice e cara de pau”.

Em meio a uma das crises mais graves do País, o espetáculo ofensivo propiciado pelos deputados Jean Wyllis, Marco Feliciano e outros foi visto com repúdio por muitos internautas que se expressaram nas redes sociais, lamentando que, ao invés de apresentarem projetos que possam ajudar o País, os nobres deputados perdem tempo se ofendendo.