A última pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, comparando as taxas de aprovação entre #Lula e o Juiz Sérgio Moro, revelou algo inesperado. Reduziu o número de pessoas que não era a favor da atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO], comparado aos meses passados. O número de pessoas que desaprovavam a atuação do ex-presidente caiu de 66% para 59%, a parcela das pessoas que aprovam passou de 32% para 40% e apenas um por cento não quis responder a pesquisa. O Juiz Federal Sérgio Moro, que já condenou Lula durante as investigações da Lava Jato, aumentou a taxa de desaprovação para 45%, tendo esta sido a maior taxa quanto à desaprovação da população desde setembro de 2015.

A pesquisa foi realizada entre os dias primeiro e quatorze deste mês de setembro, ou seja, ela foi feita antes do depoimento prestado pelo ministro Antônio Palocci ao juiz Sérgio Moro, onde ele revelou que Lula havia de fato recebido propinas da Construtora Odebrecht.

Nos meses de agosto e setembro, o ex-presidente alcançou a maior taxa de aprovação para presidente do Brasil, deixando o apresentador de TV Luciano Huck e Moro para disputarem o segundo lugar, mas eles não demonstraram interesse em ocupar o cargo de presidente do Brasil. Outro que teve a taxa de desaprovação elevada foi o pré-candidato Jair Bolsonaro [VIDEO] do PSC-RJ. O número de rejeição subiu de 56% para 63%, sendo a pior taxa alcançada pelo pré-candidato em dois anos.

Segundo um dos responsáveis pelas pesquisas realizadas no instituto Ipsos, Danilo Cersosimo, não ficou confirmado que #Jair Bolsonaro ficaria em segundo lugar, na aprovação para presidente, mas revelou que o ex-presidente Lula, pode ter alcançado sua maior taxa de aprovação, e talvez não alcance outra vez, pois a rejeição a ele ainda é muito grande.

Cientista político faz um balanço sobre a possibilidade de Lula ganhar as eleições

Um outro cientista político, Carlos Melo, avaliou que as pessoas que aprovam e desaprovam o ex-presidente Lula da Silva não fazem essa escolha com base nos acontecimentos e por isso não mudam suas opiniões, e isso acaba deixando Lula em uma boa estabilidade de aprovação até as próximas eleições em 2018. Carlos Melo disse que, considerando os dados apresentados pelas pesquisas, o ex-presidente é um candidato forte e pode vencer já no primeiro turno, mas se isso não acontecer, tudo indica que terá grande dificuldade para ganhar no segundo. #Sergio Moro