Novos áudios vieram à tona, a partir das tratativas para se implementar um acordo de colaboração premiada entre o empresário Joesley Batista, dono de uma das maiores companhias na venda de carnes processadas em todo o mundo e a Procuradoria-Geral da República, durante o mandato do ex-procurador-geral Rodrigo Janot. A forte "polêmica" foi reaberta, com a divulgação de novos conteúdos que envolvem diretamente o ex-chefe do Ministério Público Federal.

Vale ressaltar que a divulgação de todo o conteúdo das gravações captadas no gravador do empresário Joesley Batista, consideradas estarrecedoras, culminaram até mesmo, no cancelamento do acordo de colaboração premiada do empresário Joesley Batista e do executivo da empresa, Ricardo Saud.

Entretanto, logo no inicio das tratativas da negociação para o acordo de delação, o empresário Joesley Batista e o ex-diretor de relações institucionais do grupo conversavam a respeito do acordo de delação que naquele período, encontrava-se prestes a ser formalizado. Porém, tudo acabou rumando para algo extremamente inesperado, em se tratando dos irmãos Batista e o executivo Saud, que tiveram como destino a prisão, até o momento, por determinação do ministro-relator do caso JBS no Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin.

Novo conteúdo divulgado de áudios gravados de Joesley

Diante da retomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nos próximos dias, em relação ao julgamento que definirá se as provas apresentadas pela JBS, durante a vigência do acordo de colaboração premiada, pudessem continuar ou não sendo válidas, mesmo após a prisão dos irmãos Batista, novos fatos vêm à tona.

De acordo com o conteúdo dos áudios gravados por "acidente" e que comprometeram a liberdade de Joesley, Wesley Batista e Ricardo Saud, se tratariam de conversas entre os próprios executivos da empresa, ao se referirem sobre o ex-procurador Rodrigo Janot. Ao se dirigirem ao aeroporto, deixaram claro que os áudios teriam sido demolidores contra o presidente da República, Michel Temer e contra o senador, atualmente afastado do cargo, Aécio Neves (PSDB-MG).

Num dos diálogos captados entre o executivo Ricardo Saud e o diretor jurídico do grupo, Francisco de Assis e Silva, se desencadeiam todas as impressões, embora Silva acreditasse que haveria um compromisso político de Janot com Temer. Na realidade, ele acreditava que estaria havendo uma aliança entre o presidente e o ex-procurador-geral.

Entretanto, Saud assegura que não haveria esse risco, completando que Janot não se daria bem com o PSDB e o PMDB, já que não teria condições de proteger tanto tucanos, quanto peemedebistas, de forma simultânea. O diretor jurídico da JBS conclui, segundo o áudio captado que os procuradores querem f...o PMDB. E em seguida, Joesley Batista revela que o desejo de Janot, é se tornar presidente da República, ou pelo menos, indicar quem vai ser.