Uma notícia divulgada neste sábado (30), pelo portal da Veja, pegou de surpresa e chocou a população e os noticiários nacionais. A notícia revela que o juiz federal Sérgio Moro [VIDEO]está exausto com a proporção desgastante que a operação Lava Jato tomou e exigiu dele.

Não é de hoje que o juiz mostra esse desgaste. Ele já vem, há anos, queixando-se de estar cansado de ouvir a mesma conversa de sempre. Em 2015, por exemplo, no depoimento do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, Sérgio Moro explicou ao depoente que aquela situação era muito desgastante para o ex-diretor devido a Paulo já ter repetido várias vezes seu depoimento.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lava Jato

No entanto, o juiz enfatizou que também era desgastante para ele escutar sempre a mesma conversa.

“Infelizmente, o Sr. tem que relatar parte desses fatos novamente. O Sr. está exausto de falar, eu também estou exausto de ouvir um pouco dessa história.

Isso não é um consolo, mas…”, disse o juiz, na época.

Dessa vez, Moro teria confessado a um amigo próximo que não aguenta mais estar à frente da 13ª Vara, onde processa a operação Lava Jato. Sua intenção, agora, de acordo com a Veja, seria tentar migrar para outra que não o desgaste tanto quanto a Lava Jato o fez.

Moro ainda tem o respeito da maioria da população

O juiz, que é respeitado pela maioria da população (excetuando aqueles eleitores do ex-presidente Lula e do PT no geral, ou partidos de esquerda), já tomou à frente e condenou vários políticos envolvidos em corrupção. Entre eles, está o próprio ex-presidente Lula, que foi condenado a nove anos e seis meses de prisão em primeira instância pelo magistrado. Também pode-se citar o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, preso há quase um ano e que disse, em entrevista recente, que Moro “destruiu a elite política do Brasil”.

Lula e sua vontade insana de denegrir a imagem do magistrado

Em qualquer palestra que o ex-presidente Lula [VIDEO] vá, ele sempre menciona sua condenação de nove anos e seis meses de prisão em primeira instância, arbitrada por Sérgio Moro. O petista gosta de afirmar que não houve imparcialidade do juiz nesta sentença, além de reforçar que tenha sido um golpe para que ele não se torne elegível nas eleições presidenciais de 2018. A partir de então, os petistas e aqueles que são coligados ao PT passaram a ter o magistrado como inimigo número um.

O ex-presidente até tentou, em seu último encontro com o magistrado, uma ofensiva, dizendo que o juiz não teve imparcialidade na última sentença. No entanto, Moro o respondeu dizendo que, em seu entender, Lula é, sim, culpado.