A defesa do Presidente da República Michel Temer pediu ao Supremo Tribunal Federal que suspenda os procedimentos referentes à segunda denúncia feita pelos executivos do frigorífico JBS contra o peemedebista. A petição será julgada na tarde desta quarta-feira (20) e, provavelmente, será rejeitada pelos ministros do STF.

Acusado de fazer parte de organização criminosa e de obstruir a Justiça, Temer está em Nova Iorque desde segunda-feira (18) e hoje fez uma declaração, após participação em seminário promovido pelo jornal "Financial Times" a respeito a Assembleia Geral da ONU.

Ele disse que a Suprema Côrte tem autoridade para decidir a causa conforme suas convicções e evitou responder a jornalistas que fizeram outras perguntas acerca das duas denúncias contra si.

Antes de o plenário julgar a suspensão da tramitação do processo sobre esta segunda denúncia, Temer pediu à Casa que a devolvesse à Procuradoria-Geral da República. Feito na sexta-feira (15), o pedido foi negado por Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, na terça-feira.

Para justificar a negativa o ministro do STF citou que o julgamento da denúncia está em andamento e que, por isso, não pode devolver a denúncia à PGR.

Assim como aconteceu com a primeira denúncia contra Temer, se o STF decidir levar a segunda acusação adiante o processo deverá ser remetido à Câmara pela ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo, para que a Casa coloque o material em votação.

Em junho, com o apoio de Rodrigo Maia (DEM-RJ), Temer saiu vitorioso após a Câmara rejeitar as acusações contra ele na primeira denúncia.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Michel Temer

Na época, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não levou apenas em consideração as delações dos executivos do grupo J&F, controlador do frigorífico JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista; para denunciar Michel Temer. Janot agregou ao processo depoimentos de outros delatores, no âmbito da Lava Jato, contra o presidente.

Para fundamentar o pedido de suspensão da segunda denúncia a defesa do presidente alega que provas da delação da JBS precisam ser aceitas, uma vez que Janot decidiu pelo rompimento do acordo de delação premiada com os irmãos Batista e demais delatores ligados à empresa.

Evitando os repórteres, empurrados por seguranças do presidente na saída do evento em Nova Iorque, Temer ignorou perguntas sobre a queda em sua avaliação e reafirmou que as polêmicas reformas tocadas por seu governo deverão continuar mesmo depois das eleições do próximo ano.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo