A história de Lidiane Leite ficou conhecida em todo o Brasil. Chamada de 'Prefeita Ostentação', ela deu grande desfalque no município de Bom Jardim, no estado do Maranhão. Ela agora pagará caro - literalmente - por tudo o que cometeu durante a sua gestão. A Justiça condenou Lidiane a pagar praticamente R$ 1 milhão por tudo o o que cometeu. Pois é, a 'Prefeita Ostentação' foi condenada pela justiça a devolver o que "roubou" em verbas públicas.

Prefeita Ostentação tem que devolver quase R$ 1 milhão, após gestão problemática no Maranhão

A decisão, que agora é aclamada pela população de Bom Jardim, foi dada pelo juiz Raphael Leite Guedes.

A condenação, segundo a justiça, é baseada no fato de Lidiane Leite ter solicitado verbas públicas para obras que nunca chegaram a ser feitas. Além da multa de valor extraordinário, a ex-prefeita terá que pagar uma multa que vale 100 vezes o valor do seu salário durante o tempo em que ficou no cargo. O juiz também manteve o fato de ela perder os direitos políticos por cinco anos.

Prefeita ostentação comprou até caixões em nome do governo

Em 2015 Lidiane chegou a perder os direitos políticos. Ela tinha sido suspeita de desviar recursos que eram oriundos para a merenda escolar. Na época, a mulher chegou a ficar 39 dias foragida, até que reapareceu e se entregou à polícia. A 'Prefeita Ostentação' ficou 11 dias detida e depois disso foi solta usando uma tornozeleira eletrônica.

Ela responde a vários processos na justiça.

Os melhores vídeos do dia

Entre eles, estão o de pavimentação de ruas e até a compra de serviços funerários. Nesse caso, algumas pessoas da região tinham benefício de caixões melhores do que outras. Isso no serviço público não é permitido.

Prefeita ostentava em cidade com um dos menores IDHs do Brasil

Bom Jardim é considerada uma das cidades mais pobres do estado do Maranhão, na região nordeste do Brasil. Lidiane usava a internet para publicar fotos de si mesma mostrando o cotidiano. O problema é que, enquanto a cidade era muito pobre, ela mostrava uma vida de luxo, que tinha, entre outras coisas festas, cirurgias plásticas e até carros de luxo.

Segundo o magistrado que a condenou, é possível verificar, “de forma cristalina” que as obras de “pavimentação asfáltica, execução de meios fios, sarjetas, passeios públicos e sinalização vertical e horizontal” não foram efetuadas. Em seguida, o juiz manifestou a condenação contra a 'prefeita ostentação'.