Em manifestação no centro de Curitiba logo após o seu depoimento ao juiz Sérgio Moro nesta quarta-feira, Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, voltou a falar ao público como um pré-candidato à presidência da República. Faltando cerca de um ano para as eleições presidenciais, o líder petista mandou um recado para as "elites".

"Se as elites estão com medo que eu me candidate, é bom que tenham medo mesmo. Porque eu vou ser candidato", destacou Lula.

Em uma fala que durou cerca de 10 minutos, Lula voltou a se dizer inocente e questionou se quem o acusou "injustamente" um dia fará o pedido de desculpas.

No depoimento a Moro, Lula [VIDEO] negou que tenha recebido propina da Odebrecht e voltou a dizer que "durante todo o meu governo, de janeiro de 2003 a dezembro de 2010, eu jamais conversei com empresário ou pedi dinheiro para empresário".

Ele rebateu o seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci [VIDEO], a quem chamou de "frio" e "calculista". Na semana passada, também a Moro, Palocci revelou que Lula e Emílio Odebrecht tinham um "pacto de sangue" sobre a negociação de propina.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) também discursou durante o ato no centro da capital paranaense. A polícia estipulou cerca de 2 mil presentes.