O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva é réu em cinco casos, sendo dois deles no âmbito da operação Lava Jato e um já em segunda instância, sendo que foi condenado em primeira instância a 9 anos e meio de prisão pelo caso do tríplex no Guarujá, em Litoral de São Paulo, imóvel que o petista supostamente recebeu em forma de propina da empreiteira OAS. No entanto, essa decisão foi dada pelo juiz federal Sérgio Moro após o ex-presidente prestar um depoimento ao próprio.

Lula já havia prestado um depoimento em frente ao juiz federal Sérgio Moro, mas desta vez, na quarta-feira, o ex-presidente depôs a segunda vez em frente ao juiz responsável pela operação Lava Jato referente ao firmamento de oito contratos com a empreiteira Odebrecht, sendo que alguns destes teriam sido superfaturados e tendo valores destinados ao atual presidente da época Luiz Inácio Lula da Silva, que governou entre 2003 e 2010.

A pergunta de Lula ao juiz

Ao final do depoimento, que foi muito badalado pela mídia brasileira, o ex-presidente da República fez uma indagação ao juiz federal Sérgio Moro, perguntando para o próprio se quando ele saísse do depoimento em Curitiba e fosse jantar com sua família poderia dizer aos seus netos que prestou depoimento à um juiz imparcial, e esse questionamento parece ter irritado o magistrado que afirmou que esse julgamento não cabe ao réu do caso, e finalizou a frase dizendo "de todo modo, sim", ou seja, mesmo repudiando o questionamento feito pelo petista, o juiz federal respondeu a pergunta de Lula dizendo que é imparcial.

O clima do depoimento foi amistoso na maioria das partes, tendo em vista que em alguns trechos o clima esquentou, assim como esse questionamento do Lula e também quando o ex-presidente chamou a procuradora-geral da República [VIDEO] presente no depoimento de "querida", e isso acabou gerando um desconforto para a procuradora e a mesma pediu para não se referir a ela dessa forma, quando o ex-presidente Lula perguntou como deveria se referir, o juiz federal Sérgio Moro interrompeu e afirmou que sabe da não intenção de ofender do réu mas que deveria se referir a procuradora como "doutora" ou então "senhora procuradora", como todos usam um linguajar adequado em depoimentos.

Lula também começou a partir daquele momento não utilizar mais termos de seu cotidiano.

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva aguarda o julgamento deste caso em primeira instância pelo juiz federal Sérgio Moro.