O presidente brasileiro Michel Temer participou da 72ª Assembléia Geral das Nações Unidas na sede da ONU em Nova York, dia 19. Temer criticou o aumento do nacionalismo em todo o mundo e disse, em um discurso à Assembleia Geral das Nações Unidas, na terça-feira, que o protecionismo não é a solução para as dificuldades econômicas enfrentadas pelos países.

Temer também expressou preocupação com a deterioração dos direitos humanos na Venezuela, onde o governo socialista foi acusado pelos opositores de se tornar uma ditadura.

"Estamos do lado do povo venezuelano. Na América do Sul, não há mais espaço para alternativas à democracia ", afirmou Temer [VIDEO].

O Brasil, a maior economia da América Latina, está emergindo de sua pior recessão e o governo está fazendo progressos no controle de seu déficit orçamentário e restabelecendo credibilidade para as políticas econômicas, disse Temer no discurso.

Com as exportações de alimentos que impulsionaram a recuperação da potência do agronegócio, Temer pediu um melhor acesso ao mercado de bens agrícolas e a eliminação de subsídios agrícolas que distorcem o comércio.

"A cooperação internacional sobre mudanças climáticas não pode esperar", disse Temer. O Brasil foi criticado por não proteger a Floresta Amazônica, uma área importante para o equilíbrio ambiental global, mas Temer disse que os dados mostraram que o desmatamento caiu 20% no ano passado.

Na segunda-feira, Temer, outros líderes latino-americanos e o presidente dos EUA, Donald Trump, discutiram a crise econômica e política da Venezuela e as formas de incentivar o retorno à democracia.

Os melhores vídeos do dia

Trump disse em seu discurso na reunião anual da ONU que a situação na Venezuela era inaceitável e os Estados Unidos aumentariam a pressão sobre o governo do presidente Nicolas Maduro.

Temer disse que o Brasil e seus parceiros do bloco sul-americano do Mercosul continuariam a apoiar uma transição democrática na Venezuela.

O conservador Temer, que substituiu a presidente da esquerda Dilma Rousseff no ano passado após um polêmico impeachment, enfrenta forte oposição em meio a acusações de corrupção.

A aprovação de seu governo despencou, de acordo com uma pesquisa de opinião pública publicada na terça-feira.

A empresa de pesquisa MDA afirmou que apenas 3,4 por cento dos entrevistados disseram que o governo Temer está fazendo um trabalho "excelente ou bom" - abaixo de 10,3 por cento de fevereiro.