Joesley Batista é um dos empresários mais polêmicos do país. O dono da Friboi já havia dado o que falar quando, durante delação premiada, acabou atacando o atual presidente da República, Michel Temer (PMDB). Na época, Joesley [VIDEO] revelou que Temer teria dado o aval para que o silêncio do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (também do PMDB), fosse comprado.

Temer nega as acusações. Agora um novo áudio envolvendo o dono da Friboi foi revelado e o que ele mostra é um conluio que envolveria o Partido dos Trabalhadores (PT) e até membros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Joesley Batista revela elo de Dilma, Cardozo e de Cármen Lúcia, ministra do STF

O novo escândalo no mundo da política foi revelado nesta terça-feira (5) pela coluna de Monica Bergamo, do jornal ‘’Folha de S.Paulo’’.

Um grampo feito pela J&F mostra um diálogo de Ricardo Saud, ex-diretor de outra empresa com sigla parecida, a JBS, com Joesley Batista. Eles falam que também teriam gravado uma conversa até então desconhecida da Procuradoria-Geral da República.

Ex-ministro de Dilma é acusado de ter 5 membros do STF no 'bolso' por Joesley e Saud em grampo

A tal conversa, segundo os dois delatores, que não saberiam que estavam sendo gravados, foi com o então Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Na conversa, os delatores riem do que chamam de amizade de Cardozo, Dilma e da atual presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lucia. A conversa daria a entender que os três teriam um suposto elo, mas que não é explicado durante o diálogo.

O grampo, segundo o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, pode fazer com que o acordo de delação premiada com o dono da Friboi seja cancelado.

Ele revela que, no entanto, o áudio apenas é uma prova a mais da corrupção e que não anula a delação em si. Ou seja, condenações e investigações não seriam afetados pelo áudio bomba.

Na conversa entre Saud e Joesley, os dois mostram tentar provas para conseguir um verdadeiro desmanche diante do assunto. Esse envolveria o Supremo Tribunal Federal. Segundo os executivos, Cardozo teria pelo menos cinco membros do Supremo em suas mãos. O encontro entre o ex-ministro da Justiça e Joesley teria ocorrido.

No entanto, segundo a ‘’Folha de S.Paulo’’, o objetivo de provar que existia algo de muito errado com a instância mais alta da Justiça não foi conseguido com êxito. De qualquer forma, o assunto ainda é analisado pela Procuradoria.