Durante a eleição para prefeito de São Paulo, a equipe de marketing e o próprio João Doria [VIDEO] (PSDB) tentavam demonstrar que ele não era político, mas sim um “gestor”, moderno, cordial e que iria trabalhar sem parar, até criaram um apelido “João Trabalhador”. Mas após nove meses, essa imagem vai desaparecendo e a que de fato aparece, é bem mais diferente. Além de estar sendo visto por muitas pessoas (inclusive boa parte de seus eleitores) como alguém que abandonou a cidade para fazer campanha para presidente pelo país, Doria também está demonstrando ser alguém que não tolera críticas e que ao invés de responder, prefere partir para o embate, atacando e desqualificando os que ousam questioná-lo.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal PSDB

E é a imprensa que vem sentindo isso toda vez que precisa lhe perguntar algo mais firme. Tanto que diversas entidades de imprensa tais como: Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) e ANJ (Associação Nacional de Jornais) decidiram repudiar as repetidas ações do prefeito de São Paulo que parece não saber conviver com as críticas.

O caso mais recente de truculência e tentativa de desqualificar jornalistas por parte de João Doria ocorreu quando o repórter da CBN, Pedro Durán resolveu questioná-lo sobre a limpeza ocorrida na Praça da Sé em julho que teria acabado molhando moradores de rua, justamente após a madrugada mais fria do ano. Ao invés de responder à pergunta, o prefeito partiu para o ataque, indagando em tom ríspido há quando anos Durán era repórter e em tom imperativo disse: “Responda!” . Em seguida, passou a fazer acusações relacionadas a outra repórter da CBN, Camila Olivo que acompanhou a ação na Sé, afirmando que não respeitava o trabalho dela, pois ela era ligada ao PT [VIDEO] no passado e tinha mentido. Desviando o foco da pergunta, prefeito ainda disse que não caberia fazer juízo sobre o trabalho do prefeito regional, mas sim sobre o trabalho da jornalista.

A Rádio CBN informou que Camila nunca trabalhou para o Partido dos Trabalhadores ou teve qualquer tipo de ligação com o partido, e que, na verdade, o prefeito estava se baseando em notícias falsas que foram postadas na internet por páginas na internet , como a do MBL (Movimento Brasil Livre) que defendem João Doria.

Mas essa não foi a única vez que Doria demonstrou descontentamento com jornalistas. Recentemente, em uma entrevista na Rádio Bandeirantes, ele não gostou dos questionamentos sobre suas intermináveis viagens pelo Brasil e demonstrando irritação respondeu: “Qual o problema de viajar? (...) Eu sou diferente, eu sou moderno, não sou antigo, eu uso tecnologia”. Durante a entrevista, o prefeito voltou a mostrar contrariedade e criticou os profissionais que o entrevistavam, mas os jornalistas conseguiram responder a altura aos seus comentários.