Nessa terça-feira (26) o ex-ministro Antonio Palocci encaminhou uma carta para o PT (Partido dos Trabalhadores). O conteúdo da carta enviada por ele se refere ao seu pedido de desfiliação do partido. O ex-ministro descreveu os motivos que o levaram a pedir a desfiliação da legenda em quatro páginas. Vale ressaltar que Palocci contribuiu para a fundação do partido que agora ele decide abandonar. O documento foi destinado a Gleisi Hoffmann, que atualmente é senadora e presidente do PT.

Na carta, Palocci afirma defender um acordo de leniência na Operação Lava Jato para o PT. O ex-ministro afirma que as declarações feitas por ele ao juiz Sérgio Moro [VIDEO]são verdadeiras.

Ele enfatiza que suas declarações são referentes a assuntos que ele coordenou ou acompanhou junto ou atendendo a pedidos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No mesmo documento, Palocci [VIDEO] afirma que Lula confirmará tudo do mesmo modo que fez no caso Mensalão, em entrevista na França.

O ex-ministro ainda afirma que foi um erro eleger e reeleger um governo ruim, que foi capaz de aniquilar os avanços econômicos e cada conquista social. Ele ainda relatou que, por falar a verdade, acabou se tornando alvo de um tribunal inquisitorial formado dentro da própria legenda.

Palocci também questionou até quando as pessoas irão acreditar em uma autoproclamação do ‘’homem mais honesto do Brasil’’. Antonio Palocci ainda faz questionamentos severos desejando saber se o PT é realmente um partido político representado por pessoas de carne e osso, ou se, na verdade, o partido seria uma seita liderada por uma pretensa divindade.

No documento escrito por ele é possível observar que existem muitas críticas em relação ao ex-presidente Lula [VIDEO] e ao próprio PT. Ele afirma que o depoimento prestado por ela a Justiça faz menção da verdade de todos os fatos. Porém, ele não entrou em detalhes e não revela o que realmente sabe em relação as ilegalidades, pois, o ex-ministro ainda está negociando um acordo de delação com a Justiça.

Além de todas as críticas feitas por Palocci, ele sugere ao Partido dos Trabalhadores que a melhor direção a ser seguida é reconhecer os próprios erros e tentar acordo judicial. O ex-ministro revelou que de forma informal, em determinada ocasião, fez essa sugestão para Rui Falcão, ex-presidente do partido, e Lula. Embora Palocci tenha criticado duramente o PT, ele ainda acredita na proposta do partido, porém, pensa que a legenda deveria ‘rejuvenescer’.