A Polícia Federal (PF) encontrou nesta terça-feira (5), em um imóvel no bairro da Graça, em Salvador, várias malas recheadas de dinheiro, que seriam de Geddel Vieira Lima [VIDEO]. Segundo as investigações da PF, o dinheiro em notas de reais seria usado por Geddel, ex-ministro de Michel Temer.

A PF ainda não divulgou o valor apreendido, até porque os valores ainda serão transportados, contabilizados e depositados em uma conta judicial.

A Operação Tesouro Perdido, autorizada pela 10º Vara Federal de Brasília, fez com que a PF encontrasse um 'bunker' com grande quantia em dinheiro.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Política

O local só foi encontrado porque a Operação Cui Bono estava em sua última fase; por isso foi encontrado o endereço para o armazenamento do dinheiro.

Prisão

Geddel foi preso no dia 3 de julho, mas por determinação da justiça, encontra-se em prisão domiciliar, benefício adquirido através de um habeas corpus.

Na época, houve grande polêmica acerca de sua prisão, uma vez que Geddel saiu sem usar a tornozeleira eletrônica, pois em Salvador não existem tornozeleiras disponíveis.

A decisão foi tomada pelo desembargador Ney Bello. Geddel continua na capital baiana.

Operação Cui Bono

A Operação cui Bono, que se iniciou para apurar crimes de corrupção na Caixa Econômica Federal, já está em sua fase final e apura a atuação de várias pessoas, inclusive de Geddel, na manipulação de recursos e créditos no banco.

Entre 2011 e 2013, quem comandava a presidência do grupo de pessoa jurídica da instituição financeira era Geddel.

Segundo as investigações, Geddel é acusado de ter recebido R$ 20 milhões em propina para beneficiar empresas com a aprovação de recursos do FI-FGTS.

O ex-ministro Temer também foi citado em delação premiada de Joesley Batista, dono da empresa JBS, e na delação de Lúcio Funaro, do PMDB.

As informações apuradas nas investigações falam que as verbas passadas podem chegar ao valor de R$ 1,2 bilhão para empréstimos de empresas, e em troca o ex-ministro e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha recebiam alto valor em propina.

Decisão da Busca e Apreensão

O juiz Vallisney Oliveira, que autorizou a busca e apreensão em apartamento, diz que o imóvel pertence a uma pessoa chamada Silvio Silveira que teria cedido o apartamento para guardar as malas com dinheiro [VIDEO].

"Ademais, conforme designado nas informações policiais, foram realizadas pesquisas de campo com moradores do prédio, confirmando a notícia de que uma pessoa teria feito uso do aludido imóvel para guardar "pertences do pai". Diz o juiz no mandado.