O país vive hoje afundado em centenas de casos de corrupção. Todos os dias várias notícias são vinculadas e o povo brasileiro não se espanta mais com facilidade com tantos casos de corrupção. Um país sem corrupção parece ser utopia nos dias de hoje. Recentemente, uma bomba do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, caiu sobre os ouvidos de todos, em mais uma denúncia.

Entretanto, a última operação da Polícia Federal trouxe valores apreendidos que saltam aos olhos de qualquer pessoa, ainda mais levando-se em conta que todos estavam em espécie em um apartamento que servia de bunker para a corrupção nacional.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Governo

Uma quantidade de dinheiro enorme foi apreendida em um suporto bunker ligado a Geddel Vieira Lima, ex-ministro do Governo Temer. Foi a maior apreensão de dinheiro vivo da história da Polícia Federal.

A 10ª Vara Federal de Brasília, por meio do juiz Vallisney de Souza Oliveira, autorizou a busca de importância em dinheiro em imóveis supostamente ligados ao ex-ministro Geddel na cidade de Salvador (BA). Segundo a decisão, "há fundadas razões de que no supracitado imóvel existam elementos probatórios da prática dos crimes relacionados na manipulação de créditos e recursos realizadas na Caixa Econômica Federal".

A Operação Tesouro Perdido, nova fase da Cui Bonno, teve informações que Geddel teria em imóvel na capital baiana importância em dinheiro jamais vista. A operação busca comprovar o envolvimento do ex-ministro com desvios do banco estatal Caixa Econômica Federal.

A contagem do dinheiro terminou na madrugada desta quarta-feira (6), e entre moedas estrangeira e nacional contabilizou-se a importância de R$ 51 milhões. O valor será transportado para um banco e depositado em uma conta judicial.

Geddel Vieira Lima está preso em prisão domiciliar, em Salvador, sem o uso de tornozeleira eletrônica desde o dia 3 de julho.

Quem é Geddel?

O peemedebista foi ministro da Secretaria de Governo do presidente Michel Temer e caiu após o então ministro da Cultura, Marcelo Calero, realizar declarações afirmando que estava sendo pressionado a liberar obras na cidade de Salvador de interesse de Geddel.

No governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, exerceu o cargo de ministro da Integração Nacional, onde esteve diretamente ligado com a transposição do rio São Francisco. Foi também vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013.

A defesa do ex-ministro até o momento não se pronunciou sobre a operação que prendeu o valor exorbitante ligado ao peemedebista.