A Polícia Federal, em conjunto com a Receita Federal, deflagrou nesta quinta-feira (29/9) a Operação Anel de Giges, com o objetivo de investigar organização criminosa acusada de peculato, lavagem de dinheiro e desvios de verbas públicas referentes ao programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), do Governo Federal. Entre os alvos dos mandados estão filhos do senador Romero Jucá, de acordo com o jornal O Globo.

A Polícia cumpre 17 mandados expedidos pela Justiça Federal de Roraima, sendo 9 mandados de busca e apreensão e 8 mandados de condução coercitiva nas cidades de Boa Vista (RR), Brasília (DF) e Belo Horizonte (MG).

Segundo O Globo, os alvos dos mandados de busca e condução coercitiva incluem Ana Paula Surita Macedo, Luciana Surita Macedo e Rodrigo de Holanda Jucá, que é filho do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e já tinha sido citado em investigações sobre suposto recebimento de propina da Odebrecht [VIDEO]em 2014.

Os três citados estão registrados como donos da Fazenda Recreio, segundo a matéria do jornal.

De acordo com a PF, a investigação identificou o desvio de R$ 32 milhões dos cofres públicos através do superfaturamento na aquisição da Fazenda Recreio, localizada em Boa Vista (RR) e que foi vendida pela Caixa Econômica Federal em 2013, e na construção do empreendimento Vila Jardim, do projeto Minha Casa Minha Vida em Boa Vista/RR.

A pena para o envolvimento nos crimes investigados pode chegar a 30 anos de reclusão, de acordo com a nota da PF. Os investigados já estão sendo conduzidos à PF e, como nenhum dos envolvidos possui prerrogativa de foro, o caso fica nas mãos da Justiça Federal, e não é diretamente enviado ao STF.

Até o fechamento desta matéria, o senador Romero Jucá não se pronunciou quanto aos pedidos de comentário sobre a operação.

Os melhores vídeos do dia

Senador sob suspeita

Em março de 2016, o senador conversou com o ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras), Sergio Machado, e protagonizou um escândalo que mexeu com o Planalto. A fala de que era necessária uma troca de governo para poder "estancar a sangria da Lava Jato" gerou uma crise que o fez deixar o Ministério do Planejamento.

Além disso, o senador também foi citado na delação de Ricardo Pessoa, dono da UTC, por ter supostamente pedido propina para contribuir com a campanha do filho, que se candidatava a vice-governador de Roraima. Jucá também foi citado em delação da Odebrecht, junto com Renan Calheiros e o atual presidente do Senado, Eunício de Oliveira, como "facilitador" das demandas da empresa em troca do recebimento de propinas.

Nome da operação

De acordo com a Polícia Federal, o nome da Operação tem origem no segundo livro da obra A República de Platão, em que o Anel de Giges corresponde a uma metáfora da impunidade: quem usa o anel pode cometer qualquer ilícito e não será punido.