As declarações feitas pela jornalista Maria Beltrão serviram como porta-voz para transmitir toda indignação da sociedade diante da decisão do Juiz José Eugênio do Amaral Souza Neto, que soltou um homem que foi pego em flagrante após ter ejaculado no pescoço de uma mulher dentro do ônibus. O juiz o soltou por entender que não houve crime no ato cometido pelo homem. A jornalista se manifestou contra a atitude do juiz, dizendo que ficou difícil até mesmo de escrever algo sobre o assunto, pois um juiz não considerou tal situação como violência.

Pessoas se revoltam e manifestam indignação contra a decisão do juiz

Muitas pessoas fizeram críticas a respeito da decisão do juiz em soltar o pervertido que ejaculou no pescoço de uma mulher no ônibus.

Uma das críticas foi feita pelo humorista e comediante Danilo Gentili. Ele disse que no Brasil as pessoas podem roubar a Petrobrás e assaltar o BNDS e até mesmo sair ejaculando no pescoço das mulheres dentro dos ônibus, mas fazer piadas no Twitter não pode.

O homem que foi solto pelo juiz José Eugênio foi preso pela segunda vez em menos de uma semana. A respeito dessa situação, a jornalista Joice Hosselmann quebrou seu silêncio. Ela pediu para que o juiz se manifestasse, e o questionou a respeito do que ele iria fazer agora diante dessa situação, já que ele não havia considerado o crime cometido pelo homem preso e agora estava voltando para cadeia.

Outra pessoa que ficou revoltada com as declarações e a atitude do juiz foi a atriz Stephany Brito. Segundo ela, mesmo tendo sido pego em flagrante, um homem ejaculando no pescoço de uma mulher dentro do ônibus, o juiz não considerou como crime ou que houve qualquer constrangimento com a vítima e por isso logo foi solto.

Para a atriz, o que a deixou perplexa e constrangida foi a atitude do juiz não ter reconhecido o crime e ainda por cima soltar o homem. A atriz chegou a perguntar para o juiz José Eugênio se ele tinha mãe ou filhas, e se um homem fizesse isso com elas o que ele consideraria.

A jornalista Ana Luíza Guimarães disse que não acreditava na decisão tomada pelo magistrado. Segundo a jornalista é inacreditável que uma pessoa seja pega em flagrante cometendo um crime e seja solta, ainda mais por falta de reconhecimento. Ela disse que o ato é classificado como crime, e que jamais o autor deveria ser solto antes de pagar pelo ato, e que esta atitude do juiz de ter liberado, só alimenta a impunidade no Brasil.