A ex-protagonista da novela da Rede Globo, "Malhação", Luiza Valdetaro, teria abandonado sua carreira de atriz e ido morar em Londres. O fato é que a atriz se casou com Mariano Marcondes Ferraz, um dos envolvidos em corrupção, preso pelas investigações da Operação Lava Jato. O casamento ocorreu em 2015, em uma cerimônia no Copacabana Palace, Rio de Janeiro.

Nesta quarta-feira, 27 de setembro, é possível reviver as aventuras de Manuela, estrelada por Luiza Valdetaro em uma reprise de "Malhação".

Publicidade

Na época, Luiza foi uma das poucas atrizes que conseguiram se consolidar na Rede Globo - ela chegou a participar das produções "Gabriela" e "Cordel Encantado". Os envolvimentos em atos ilícitos de seu marido teriam motivado a atriz abandonar por completo sua carreira artística e sair do Brasil, escolhendo viver em Londres.

Logo após o marido ser preso pela Lava Jato, Luiza foi para Londres e atualmente ela é sócia de uma produtora no país.

Investigado pela Lava Jato

Mariano Marcondes Ferraz participou de atos ilícitos prejudicando a Petrobras.

Ele é acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, tendo se envolvido em pagamentos de propina que chegaram a US$ 868.450,00. Em março deste ano, o juiz federal Sérgio Moro acatou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra o empresário. Mariano Ferraz foi preso em outubro de 2016 pela Polícia Federal. Na ocasião, a PF prendeu Mariano no momento em que ele tentava embarcar para Londres, através do Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Completando um mês de detenção, o empresário pagou uma fiança avaliada em R$ 3 milhões para conseguir se livrar da cadeia.

Publicidade

Mariano Ferraz buscou pagar propina para Paulo Roberto Costa, e em troca, conseguiu firmar um contrato entre a empresa Decal do Brasil e a Petrobras. Em 2006, a Petrobras firmou um contrato com a Decal do Brasil para serviços como armazenagem e acostagem de navios em Pernambuco.

Ao prestar depoimento para as autoridades, o marido da atriz global admitiu ter pago, o que ele chamou de "comissões", cerca de 1,5% do valor do contrato para Paulo Roberto Costa. Marino disse que isso foi firmado para que suas empresas possam continuar prestando serviços para a Petrobras.

O Ministério Público Federal avaliou que os repasses de dinheiro foram feitos através de três pagamentos, o objetivo foi ocultar a movimentação de dinheiro. Com isso, Mariano Ferraz foi acusado de lavagem de dinheiro.