As coisas não andam nada bem para o presidente da República, Michel Temer. Quanto mais as investigações da Operação Lava Jato evoluem, novos fatos o envolvem no maior escândalo político relacionado à corrupção da história do Brasil.

Segundo o recente relatório concluído pela a Polícia Federal, o presidente Michel Temer recebeu uma fortuna aproximada de R$ 31,5 milhões entre vantagens e em espécie no esquema de propina da maior estatal nacional, a Petrobras.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Michel Temer

Esses fatos foram encaminhados ao STF (Supremo Tribunal Federal) para que a Procuradoria Geral da República possa dar andamento na denúncia por formação de organização criminosa.

Iniciado em 2015, o relatório será fundamental para que o procurador Rodrigo Janot denuncie pela segunda vez Michel Temer e outros parlamentares do PMDB, grupo esse que vem sendo chamado de Quadrilhão do PMDB.

A Polícia Federal concluiu o relatório embasada no fato que os denunciados em questão tinham condições de distribuir o dinheiro entre os demais membros da ‘‘organização criminosa’’, conforme atesta a denúncia, e tinham também o poder de comandar os demais do grupo, favorecendo a corrupção através de evasão de divisas, fraude em licitações, lavagem de dinheiro, corrupção passiva e ativa.

Dentre os citados no relatório emitido pela Polícia Federal estão os ministros Eliseu Padilha, Moreira Franco, os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o presidente Michel Temer.

Conforme indica o relatório da Polícia Federal, Michel Temer tinha em suas mãos o poder de indicação para cargos estratégicos e, consequentemente, a vantagem da articulação dentre os parlamentares a fim de beneficiar empresários e angariar propina para campanha eleitoral.

Segundo o mesmo relatório, Michel Temer [VIDEO] recebeu R$ 500 mil que estavam na mala de dinheiro descoberta com seu assessor direto Rodrigo Rocha Loures, R$ 20 milhões do contrato do PAC SMS da Diretoria de Assuntos Internacionais da Petrobras, R$ 10 milhões através da construtora Odebrecht e R$ 1milhão através de um amigo pessoal, o coronel João Batista Lima Filho, totalizando os R$ 31,5 milhões auferidos no relatório.

Esquema montado que explica o 'Quadrilhão do PMDB'

Todos os fatos indicados no relatório serão decisivos para que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot [VIDEO], finalize a denúncia contra Temer por formação de organização criminosa e possa ainda nesta semana encaminhar ao Supremo Tribunal Federal [VIDEO] a segunda denúncia feita por ele contra o presidente da República.