Os últimos acontecimentos abalaram as estruturas do maior partido de esquerda do Brasil [VIDEO]. O PT teve sua história e sua credibilidade abalada quando um dos de seus mais importantes representantes e articulador, em busca de uma delação premiada, decidiu abrir o ‘livro’ dos bastidores da política nacional nos últimos 14 anos à frente do país.

O ex-ministro petista Antonio [VIDEO]Palocci não só surpreendeu ao detalhar o escândalo político no Brasil, o que por ele foi batizado de ‘pacto de sangue’, como pode ter mudado definitivamente o futuro da disputa eleitoral pela presidência do país em 2018.

Certamente ao afirmar ao Juiz Federal Sérgio Moro que ali estava só ‘um capítulo’ do livro em sua busca pela delação premiada, sugeriu ao seu interlocutor que muito está por vir!

Palocci decretou a mudança da escolha do candidato a disputa presidencial de 2018 pelo Partido dos Trabalhadores, pois conforme o desdobramento [VIDEO] desse depoimento ocorrer, o maior símbolo nacional da esquerda será impedido de concorrer.

A história da esquerda nacional, da fundação do PT e da política nacional após as Direta Já se confundem e se misturam com Luiz Inácio Lula da Silva.

Embora Lula tenha feito uma ‘pré-campanha’ pelo nordeste, e mantenha uma impressionante popularidade diante do seu fiel eleitorado, o depoimento de seu antigo aliado Palocci pode ter decretado a sua saída da disputa presidencial de 2018.

O ministro Edson Fachin deu um prazo de 15 dias para que a defesa dos réus sem foro privilegiado se manifestem, e Lula está incluso nessa parcela de investigados que recentemente foi chamada de ‘Quadrilhão do PT’, pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot.

Isso força o PT a definir um novo candidato nesse momento tão delicado de sua história, pois seu símbolo mais forte, o Lula pode ficar inelegível.

Existe a possibilidade do ex-ministro Palocci concretizar sua delação com provas e fatos relacionados à movimentação financeira do PT e suas campanhas passadas. Caso isso se concretize, a tendência é que seu sucessor, Guido Mantega, também envolvido nos escândalos, dê continuidade ao maior relato de corrupção da história Brasil impedindo de vez a possibilidade de Lula disputar as eleições.

Embora não tenha sido reeleito à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad está bem cotado nos bastidores do PT, pois recebe a chancela do ex-presidente Lula.

O maior obstáculo de Haddad neste momento seria fazer uma campanha eleitoral caso seja o escolhido do PT, deixando de lado o discurso ‘ético’ que a marca do PT sobre a relação pobre x rico, patrão x empregado, pois após tudo que foi exposto em rede nacional, essa linha de campanha pode ser um ‘tiro no pé’.

Alguns correligionários petistas fazem oposição à escolha de Haddad, pois ele se parece em alguns aspectos com a ex-presidente Dilma Rousseff na questão de ‘falta de traquejo político’, porém o endosso de Lula é que define essa escolha a favor do ex-prefeito de São Paulo.