O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) fez algumas críticas na segunda-feira (18), em Plenário, contra a declaração do general Hamilton Mourão [VIDEO], que comentou a possibilidade de intervenção militar no país caso o Judiciário não consiga punir os corruptos e eles continuem no poder roubando o povo.

O senador não concordou com essa fala do general Mourão e fez vários ataques que não pegou bem dentro do Exército. Randolfe afirmou que "a história se repete como farsa" e pediu para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, tomar uma atitude sobre o fato.

O senador ressaltou que as declarações de Mourão podem ser consideradas como as declarações de um "maluco" e comentou que a possibilidade de uma chantagem das Forças Armadas [VIDEO] é culpa do mal governo do presidente Michel Temer, que na visão dele, não tem forças para combater a corrupção.

Randolfe ainda disse que qualquer militar acaba falando o que quer e ameaça a democracia, pois vê em sua frente um presidente desmoralizado.

General rebate

O general de Brigada, Paulo Chagas, não gostou dos dizeres do senador e enviou um e-mail para ele repudiando sua fala. De acordo com o general, os militares podem sim dar sua opinião pois não podem ser considerados cidadãos de segunda classe, condenados ao silêncio. Eles devem sim serem respeitados em suas opiniões e no que defendem.

Paulo Chagas continuou e disse que o senador chamou um integrante do Alto Comando do Exército de "maluco" e insinuou que a instituição das Forças Armadas é chantagista sem entender que essa mesma instituição criticada faz parte da sociedade e do estado brasileiro.

O general usou palavras mais fortes e disse ao senador que os militares têm sim, por obediência à Constituição, estarem preparados em socorrer a Pátria quando a sociedade for vítima de ilegalidades e desordem dentro do ambiente de trabalho daqueles que deveriam ajudar e não roubar o povo.

Retratação

Já próximo do fim do e-mail que Paulo enviou ao senador, ele pediu para que Randolfe se retrate sobre o que falou para que se prevaleça o bem da verdade e da tranquilidade do povo. O Brasil está devastado pela irresponsabilidade e desonestidade e o povo não aguenta mais sofrer.

As declarações do general Mourão foram muito apoiadas pelas pessoas, já que se vê, claramente, a fragilidade dos três Poderes diante dos esquemas corruptos que judiam do país, afirma o general de Brigada.

O próprio comandante do Exército, o general Eduardo Villas Bôas, entendeu o discurso de Mourão e garantiu que não iria puni-lo.