O juiz federal Sergio Moro é o responsável pela operação Lava Jato em primeira instância, e o magistrado utilizou um dos métodos mais efetivos para descobrir esquemas de corrupção aqui no Brasil. Este é o de delação premiada, que foi importado de investigações do Estados Unidos para as do cenário nacional.

Desde que as investigações da Lava Jato se tornaram midiaticamente muito forte, o juiz federal Sergio Moro acabou ganhando uma gigantesca popularidade no Brasil. Boa parte dos brasileiros admiram tudo o que o magistrado fala em palestras que costuma fazer. Por isso, que em seu último discurso para uma plateia, o juiz resolveu falar como é a corrupção no país.

Recado de Moro

O Recado do juiz federal foi dado a uma grande plateia, durante uma palestra durante o ‘’X Congresso da Associação Brasileira de Direito Econômico’’, na sede da Unisinos, em Porto Alegre (RS). Ele avisou para os brasileiros que "a operação Lava Jato vai acabar", mas, no entanto, outras investigações virão para controlar o sistema político que esteve tão corrompido no Brasil durante décadas.

O magistrado aproveitou para deixar o recado de que a corrupção não irá terminar agora, mas, sim, controlada. Moro ainda lembrou que a corrupção sempre irá existir, porém, o que tem de se tomar cuidado é para que essa corrupção não seja sistêmica, assim como acontece no Brasil e outros países atualmente, alguns em grande e outros em pequena escala.

O juiz federal chegou a comparar a importância da Operação Lava Jato com o tão reconhecido Mensalão, que acabou em um momento, mas outras investigações surgiram posteriormente.

Popularidade de Sergio Moro

O juiz federal Sergio Moro [VIDEO] tem uma grande popularidade, por isso que muitos apoiadores da Operação Lava Jato acabam por querer o magistrado dentro do cenário político nacional. Porém, ele afirmou que não buscou este reconhecimento da população.

O juiz sempre afirma que essa grande popularidade em torno do seu nome se dá pela falta de exemplos dentro da política, onde os brasileiros deveriam buscar pessoas para se admirar. Quando isso não é encontrado, o sentimento é buscado nos magistrados.

No entanto, Moro não parece gostar muito quando o chamam de "herói", pois tem que mostrar sempre imparcialidade sobre os casos que está julgando, não sendo nenhum salvador da pátria. O magistrado sempre lembra que não tem culpa das denominações que a população dá.