Na noite desta quinta-feira (28), a força-tarefa da Lava Jato acabou não conseguindo vencer a disputa do prêmio "Allard", promovido por uma universidade do Canadá, mas mesmo assim, ganhou a menção honrosa por todas as investigações que foram feitas e estão sendo realizadas. O objetivo do prêmio é reconhecer os esforços contra a Corrupção e na promoção dos direitos humanos.

A repórter investigativa Khadija Ismayilova foi a vencedora. Ela é do Azerbaijão e ganhou 100 mil dólares canadenses. Outra que participava da premiação é a ativista de direitos humanos egípcia, Azza Soliman. Ela não pôde estar presente no local, pois foi impedida de sair do seu país por ordem do governo.

Alguns membros da força-tarefa estiverem presentes na cerimônia em Vancouver. Um deles é o coordenador da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol [VIDEO]. Ele agradeceu à menção honrosa e deixou uma mensagem para as pessoas. Deltan [VIDEO] disse que todos podem encarar as injustiças e buscar um futuro mais digno e melhor.

Sérgio Moro

A organização do evento mostrou vários vídeos dos participantes que estavam concorrendo ao prêmio. Ao citar a Lava Jato, apareceu o juiz renomado Sérgio Moro mandando uma mensagem forte. O juiz que comanda a Operação Lava Jato afirmou que a corrupção estava espalhada no país e algo precisava ser feito. De acordo com ele, ao ver a corrupção tão sistemática, foi preciso enviar um recado forte: "Pare com isso". O juiz ainda disse que ninguém vai tolerar esse tipo de comportamento.

As investigações fizeram os políticos poderosos se prostrarem diante da Justiça. A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um exemplo de que ninguém está acima da Lei. O petista foi condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sérgio Moro e aguarda decisão final do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Sucesso no mundo

Depois da cerimônia, através de seu Twitter, Deltan disse que o trabalho da força-tarefa da Lava Jato ficou entre os três finalistas estando a frente de 240 iniciativas de 70 países.

O procurador ressaltou que o prêmio ganho por estar na final, no caso o equivalente a R$ 25 mil, será doado para promover ações de direitos humanos no Brasil. Deltan afirmou que por ser um órgão público, o Ministério Público Federal (MPF) não pode ficar com o dinheiro. "Melhorar vidas é o objetivo da luta contra a corrupção", escreveu.

Até o momento, a operação mais famosa do Brasil e talvez até do mundo, já ganhou oito premiações. Duas delas de âmbito internacional. Um verdadeiro sucesso.