O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, concluiu todo o seu inquérito e procedimento de denúncia contra o atual presidente Michel Temer. A finalização completa da operação ocorreu nesta quarta-feira (13), quando o investigador finalizou o último acolhimento dos papéis anexados e terminou de criar sua peça-denúncia.

Segundo "A Folha de São Paulo", site local, o presidente será acusado de dois crimes pelo procurador-geral: participação em organização criminosa e obstrução de finalidade da justiça.

A peça que relaciona o presidente com estes crimes possui mais de 200 páginas com linguagem escrita, imágica e depoimentos colhidos, além de estar correndo em segredo de justiça até o momento.

A previsão de entrega para o órgão competente (Supremo Tribunal Federal) é até o final do dia de hoje. Lembrando que para a entrega existem alguns trâmites como uma quantidade mínima de procuradores, advogados e ministros presentes, além da assinatura de todos no ato. O ato é público e deve ser divulgado no site da União até o final do dia.

O caso

O presidente Michel Temer vem recebendo inúmeras tentativas de processos de abertura de Impeachment na câmara dos deputados. Embora possua uma base aliada forte, alguns casos de corrupção (e, por último, a gravação onde comenta sobre modos de recebimento e como faz sua política) estão tornando sua estadia em Brasília mais difícil.

Recentemente, o chefe do executivo brasileiro foi declarado como assíduo participante nas operações envolvendo a operação "Lava Jato".

Nas delações premiadas de JBS, por exemplo, Michel teve seu nome citado mais de 50 vezes por conta de suas influências políticas e envolvimento com o processo de roubo do dinheiro público.

Alguns dos valores roubados foram declarados em planilhas que foram apreendidas com um dos executivos da Camargo Corrêa (empreiteira envolvida com a operação), onde constava o nome de Temer numa ficha que relacionava o presidente com o pagamento de US$40 mil (cerca de R$120 mil) frente à duplicação de uma via em Praia Grande e sobre o asfaltamento de uma pista na cidade de Araçatuba, com valores aproximados de US$ 36 milhões (cerca de R$100 mil).

Um dia após a polícia federal apontar que Michel Temer era quem detinha a voz de comando na organização criminosa do PMDB da Câmara, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência divulgou nota expelindo a informação do comando: "Facínoras roubam o país da verdade", disse o Planalto sobre as acusações contra Michel Temer.