O general da ativa do Exército, Antonio Hamilton Mourão, é o secretário responsável pela economia e finanças da Força Terrestre. O mesmo é muito polêmico por ser assumidamente um apoiador de uma nova intervenção militar no Brasil, assim como aconteceu no ano de 1964, quando o mundo vivia uma guerra fria e o país estava dividido entre Estados Unidos da América, que aplicava ditaduras militares, e União Soviética, que aplicava ditaduras socialistas.

O General Mourão disse que o Brasil pode chegar em um novo Regime Militar em breve, isso se a Justiça brasileira não agir contra a corrupção que está estampada para todos verem.

O mesmo se revoltou ao ver que diversos políticos que são flagrados em atos ilícitos continuam em liberdade.

Atitude de Mourão

O general tomou uma atitude muito drástica quando disse que as Forças Armadas poder impor uma nova intervenção militar, mesmo lembrando que não será fácil, porém, julga sendo o melhor para o país. No entanto, essa decisão de Mourão aparecer na imprensa para dizer tais coisas ressaltou o desejo de muitas pessoas e alguns reservas do Exército apoiam a sua ideia de um novo regime militar, por isso que boa parte da população agora apoia um novo regime militar.

O que ressaltou este desejo em alguns brasileiros [VIDEO] foi a quantidade de esquemas corruptos descobertos e, mesmo assim, não acontecendo a prisão em flagrante, até porque o processo brasileiro é muito demorado, tanto que o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, só será julgado em segunda instância no ano que vem.

No entanto, Mourão ameaça o Governo Federal, afirmando que um golpe pode acontecer se continuar esta onda de impunidade.

O general Mourão afirmou que se tiver que haver uma intervenção militar haverá, pois o Exército, com certeza, terá soluções muito melhores para resolver os problemas que o Brasil vem vivendo, pois, além de uma crise política, também temos uma crise econômica, a qual o presidente da República Michel Temer está tentando resolver, porém, o peemedebista é muito repudiado por toda a população brasileira, porque após a delação premiada de Joesley Batista, na qual o empresário, dono da JBS, apresentou um áudio gravado sobre uma conversa ilícita com o atual presidente da República, em que o mesmo concorda com o fato de manter o ex-presidente da Câmara dos deputados Eduardo Cunha "calado" dentro da prisão, e após isso a crise política foi instaurada no país [VIDEO].